“Peço rigor e respeito no treino e competição”

Paulo Almeida, líder do CADCA, em entrevista ao Jornal O Almeirinense, faz o balanço da atividade do clube. O dirigente e treinador faz ainda uma análise ao atual estado do desporto no concelho e traça objetivos para o futuro próximo. A 11.ª edição da Taça Cidade de Almeirim deve continuar a ter atletas estrangeiros, depois do sucesso de 2016.

Paulo Almeida, que balanço faz da atividade do CADCA no Karaté?
Em treinos e competição, segundo lugar juniores menos 71 kilos: Torneio Internacional Corunha, Espanha, e em torneios nacionais: dois quartos lugares em seniores, bem como vários primeiros, segundos e terceiros lugares, escalões infantis e juvenis.

Como tem sido a evolução no número de atletas nos últimos anos?
Normal, entram uns, saem outros, há mais ofertas e as crianças têm pouco tempo para o treino mas o maior problema são os computadores, tablets e tudo o que envie mensagens, isso é um problema grave. Eu trabalho com de vários escalões, desde infantis a seniores, onde o número de praticantes se mantém pela qualidade.

Como se explicam estes números?
Qualidade de treino, que tem regras e princípios – o que hoje já não há muito – o e quando eu, como treinador, peço rigor e respeito no treino e na competição.

As modalidades que não o futebol vivem há muito tempo o problema de “combater” uma modalidade muito na moda. Sentem muito isso?
Não, o karaté é uma modalidade milenar com regras e princípios e as cinco máximas (caráter, sinceridade, etiqueta, esforço e auto controlo) e quem vai para o karaté (CADCA) já sabe que vai aprender algo para o resto da vida e por isso existem praticantes com mais de 70 e 80 anos a praticar Karaté, o que não é fácil de encontrar nas outras modalidades.

O Paulo lidera também o clube. O CADCA hoje é pouco mais que o Karaté? Porquê?
Não, o CADCA tem ativo as suas modalidades, Capoeira, Karaté, Pilates, Futsal, Muay Tai, Motas, Campismo e Caravanismo.

Há clubes a mais, em Almeirim, no seu entender?
Sim e não, porque uns são clubes e outros não.

Em 2016 realizou-se a 10.ª Taça Cidade de Almeirim e foi a primeira internacional. Correu bem, essa foi uma opinião mais ou menos unânime?
A opinião foi muito positiva e os números não mentem: tanto nas participações – mais de 400, como no público, a rondar os 1000 – estamos a falar de mais ou menos 1500 pessoas entre karatecas e público. A I Taça Internacional de Karaté Cidade de Almeirim foi um sucesso. Há aspectos a melhorar, em virtude de se tratar de uma prova internacional que é para continuar com mais presenças de equipas internacionais. Se falarmos de divisas, é bem possível que fique no concelho muito perto de 8 a10 mil euros.

Ainda não falámos de dois aspectos importantes: Habilitações dos treinadores e pagamento de mensalidades. Hoje é corrente pagar-se. O Karaté foi uma das modalidades em que isso sempre aconteceu. Foram pioneiros até nisso?
As habilitações dos treinadores é um problema que os clubes de Almeirim e do resto do país têm de resolver. A lei base do desporto não permite que haja treinadores sem qualificações para dar o treino, mas é um problema que tem solução: basta os clubes ou os que querem ser treinadores começarem a investir na formação antes que apareça alguém a fiscalizar e ou multar os mesmos por não terem habilitações.

E não há treinadores que não tenham habilitações?
O CADCA tem um acordo (parceria) com uma escola certificada (gnosies) com o IPDJ para dar cursos de Grau I e II, ou créditos para quem já é treinador de Grau I, II ou III, caso haja número mínimo de participações: 10, nas áreas de futebol, karaté e andebol, ou outras que sejam solicitadas mesmo por quem não é federado. Mais informações, pode contactar o CADCA por tlm: 963 341 573, ou por mail: poauloalmeida.karate@gmail.com.
Sobre os pagamentos, eu acho que se deve pagar em todas as modalidades, porque os clubes têm grandes despesas com as suas secções, e é uma grande ajuda para as secções, e não deve ser a Câmara a subsidiar tudo e todos. Por isso, mais uma vez digo: uns são clubes, outros não. Mas deve-se explicar a quem paga, para onde vai o dinheiro.
Reforço: o karaté é uma escola e, como escola, sempre se pagou em todo o Mundo porque sempre teve Treinadores, Mestres com qualificações para lecionar os treinos.
Para terminar, gostaria de perceber se já está desmistificado que o karaté não é violência, bem pelo contrário. O karaté não é violento, o karaté é uma escola e nas escolas não se ensina violência. Não temos pais a ofenderem-se, como em muitos outros desportos bem conhecidos, como o desporto rei. Salvo raras exceções, não temos este tipo de comportamentos. É aqui que entra o treinador com formação.

 
O CADCA informa, ainda, que tem ao dispor descontos para sócios e para novos sócios na Clínica Médica GFS Santarém; Clinicalm Dentistas, e outras valências: Psicotejo; Instituto de Línguas Explicação e Apoio ao Estudo; Raimundo Oficinas Rino; Paulo & Antónia Cabeleireiros; Hair Studio Davines. Qualquer informação adicional, através dos telefones 243599159 ou 96331573; mail: pauloalmeida.karate@gmail.com