Colecionador de Fazendas de Almeirim reúne mais de 500 cachecóis (vídeo)


O Almeirinense foi até às Fazendas de Almeirim para conhecer a coleção de cachecóis de claques e de clubes de futebol de Pedro Lourenço.

Fervoroso adepto sportinguista e treinador de futebol, liderando a equipa de Marinhais atualmente, coleciona cachecóis de equipas e de claques do mundo do futebol. A sua coleção conta com cerca de 500 cachecóis de equipas de vários pontos do globo, desde o México à Tailândia, não esquecendo os cachecóis das equipas locais.

Conta que começou a colecionar cachecóis em quando ainda estava na escola, tendo o primeiro cachecol sido oferecido por uma amiga. Era um velhinho cachecol da equipa do seu coração, o Sporting Clube de Portugal. A partir daí começou a reunir uma imensa coleção. Diz que quando os seus familiares faziam viagens ao estrangeiro pedia sempre que lhe trouxessem um cachecol de uma equipa. Foi assim que obteve o do Chonburi FC, uma equipa que figura na Primeira Liga Tailandesa.

A sua envolvência com o “mundo ultra”, ou seja, com o mundo das claques apoiantes das equipas, e com o Núcleo da Juventude Leonina de Santarém, criou contactos com membros de outras e claques e foi adquirindo e trocando cachecóis. Da liga portuguesa tem na sua coleção vários como do Vitória de Setúbal, do Vitória de Guimarães e dos três grandes. Foi criando contactos com adeptos de outros países, como a Noruega, Itália e Turquia, conseguindo reunir cachecóis.

Segundo este colecionador de cachecóis os mais raros da sua coleção são os das equipas sul americanas, pela dificuldade de os encontrar em Portugal. Conseguiu reunir de algumas equipas da América Latina como dos chilenos do Colo-Colo ou do Clube América do México. Os seus preferidos são os que se encontram escritos em alfabetos diferentes, como o do Maccabi Haifa de Israel, escrito em hebraico, ou o do Lokomotiv de Moscovo, escrito em Círilico (Alfabeto Russo).

Como adepto do Sporting confessa que o cachecol que mais emoções lhe traz é o da final da Taça UEFA de 2005 em que o Sporting perdeu com o CSKA de Moscovo por três bolas a uma depois de estar a ganhar durante a primeira parte.

Quando inquirido se venderia a sua coleção diz que se conseguisse o preço certo se desfazeria dela, mas que preferia ficar com ela.