Mais do mesmo – 1 de julho

Estamos na contagem decrescente para as eleições autárquicas 2017 e há pessoas que gostam de reaparecer. Não vou falar em nomes porque nesta sociedade carregada de falsos moralistas ainda me colocavam um processo em tribunal e, sou sincero, tenho muito mais que fazer do que andar a responder a inquéritos. A minha profissão é ser jornalista, o que faz que tenha de dar notícias e isso deixa alguns fulos: Fulos porque praticamente nada fazem durante três anos e meio a não ser papaguear em reuniões mensais ou bimensais e depois aparecem como “construtores do mundo perfeito” que todos sabemos que não existe.

Há gente que só fala como fala porque nunca dirigiu nada, nunca teve que tomar decisões e sabe que nunca vai ter cargos em que tenha de as tomar.
Mas deixem-se de andar com notas a criticar a imprensa local e depois direitos de resposta. Desafio mesmo a mostrarem onde está a posição sobre o caso da Raposa! E quem ou que órgão propõe escrita livre, quinzenalmente?

Publicidade

Há pobres e mal agradecidos…

 

Valter Madureira

.