“Não estou preocupado com voltar a Portugal”

Diogo Neves representou na última temporada o Bassano e vai continuar em Itália no próxima. A revelação é feita numa entrevista para balanço da temporada. O jogador continua o progresso na carreira, que tem como marco jogar nos três grandes campeonatos da Europa.

Diogo, que balanço faz do ano em Itália?
Foi uma época muito positiva, a nível coletivo conseguimos alcançar todos os objetivos propostos e ainda chegar à final da copa Itália. A nível individual penso que foi o ano em que mais evoluí, talvez devido ao facto de jogar num clube de elite como o Bassano, com um grande treinador (Pino Marzella) ao lado de jogadores muito experientes e com uma grande ambição de ganhar.

Publicidade

Que teve de melhor esta experiência?
Está a ser uma experiência fantástica, tanto a nível desportivo como pessoal, acima de tudo conhecer um hóquei diferente, conhecer e aprender com grandes mestres do hóquei Italiano, jogar com grandes jogadores, viver numa cidade lindíssima num dos meus países favoritos da Europa… Resumindo, sinto-me uma pessoa muito mais rica interiormente.

Quer no plano desportivo, quer no pessoal não se arrepende?
Não me arrependo, muito pelo contrário, foi um ano que me marcou bastante pela positiva. A nível pessoal, tem sido muito enriquecedor, depois de um ano a viver a cultura catalã tem sido ótimo experienciar agora a vida italiana, em apenas dois anos acrescentei três idiomas à minha ‘bagagem’, conheci pessoas fantásticas e fiz amizades que vou fazer questão de levar para ao resto da minha vida. No plano desportivo, ter a oportunidade de nos meus primeiros três anos no escalão máximo do hóquei em patins já ter tido o privilégio de passar pelas três melhores ligas do mundo, explica um pouco do meu sentimento e de toda a gratidão a todos os que de alguma forma me ajudaram a chegar até aqui. Em relação ao Bassano, acho que dispensa apresentações, um histórico e emblemático do hóquei italiano e uma das maiores referências do panorama hoquista a nível mundial, e para acrescentar, a forma como fui recebido foi extraordinária e em poucas semanas já me sentia parte da família bassanense como se lá tivesse nascido. Respondendo à pergunta inicial, é óbvio que não me arrependo nem por um segundo da opção tomada e foi sem grande hesitação que decidi permanecer em Bassano por mais um ano.

Dada a sua ligação ao Benfica, se continuar já sabe se fará a pré-temporada na Luz? A sua vontade é jogar em Portugal ou no estrangeiro em 2017/2018?
Vou continuar a representar o Bassano na próxima época, sendo que integrarei os trabalhos em agosto com a minha equipa em Itália. Neste momento não estou preocupado com voltar a Portugal, apenas penso em trabalhar diariamente e ajudar a minha equipa a ganhar. Quando voltar a Portugal será na altura certa e com certeza como uma mais-valia. Ainda recentemente esteve em Alverca a ver o Sporting-Benfica que tanta polémica gerou.

O que achou do jogo e do lance que decidiu o jogo e o campeonato?
Foi um grande jogo de hóquei, são estes tipos de jogos que trazem pessoas aos pavilhões, um grande espetáculo que dignificou bastante esta modalidade tão bonita que é o hóquei patins. Relativamente à polémica, não me cabe a mim comentá-la, mas custou-me ver os meus colegas e muitos deles grandes amigos, perder o campeonato por culpa de um golo mal anulado a segundos do fim.

E a carreira do seu primo, tem acompanhado? Ele pode chegar também a patamares altos nos seniores?
Claro que sim, é com muito orgulho que tenho vindo a acompanhar o percurso do Frederico, é um jogador com muito talento e que está no caminho certo, tenho a certeza que chegará a patamares muito elevados.

 

.