Da esquerda para a direita: Desafios

O Município de Almeirim tem, na minha opinião, fundamentalmente três desafios de futuro:

1) Desenvolvimento Económico e emprego; 2) Formação e Educação; 3) Infraestruturas ao nível de segurança e saúde
Não conseguindo no pequeno espaço de que disponho desenvolver todos irei aflorar de forma breve os mesmos. Quanto ao Desenvolvimento Económico e emprego é notório que o Concelho está numa situação de estagnação económica. O total da população está estagnada e com um índice de envelhecimento muito alto. A zona de atividades económicas continua sem instalação de novas empresas geradoras de emprego e continuamos com a Compal como o grande empregador de referência. No fundo estamos como há 30 anos mas sem perspetivas de grandes melhorias. Devemos incentivar a fixação de novas empresas geradoras de emprego em vez de perdermos tantos jovens para as grandes cidades.

Para tal incentivos fiscais às empresas, disponibilidade de lotes de terreno pelo Município para instalar empresas (que não tem) e uma incubadora de empresa para jovens empreendedores são fundamentais. A continuar assim os novos postos de trabalho nos próximos anos serão maioritariamente para grandes cadeias de supermercados, lares e serviços de apoio domiciliário. A formação e educação são essenciais para garantirmos que temos mão-de-obra produtiva para atrair empresas. Ou mesmo para começar novos projetos via a incubadora de empresas.

Mas também deveríamos ajudar os Pais do Concelho com os custos da educação pois um filho representa um encargo significativo. Porque não há de o Município apoiar estes casais e incentivar a Natalidade oferecendo os livros e algum material escolar aos alunos que estudem em escolas do Concelho e cujos Pais sejam residentes no Concelho? Para fazer prova de residência basta uma certidão da junta de freguesia respetiva. Quanto à escola bastava a cópia do pedido de matrícula. Se um aluno do Concelho fosse estudar fora por não haver aqui a área de ensino então também aí este aluno deveria ser contemplado com esta oferta.

A entrega seria dos livros e nunca de dinheiro. Não deveria haver distorções com rendimentos, primeiro porque queríamos incentivar a natalidade de todos e não apenas dos mais necessitados que já gozam de outros apoios sociais e porque quando entramos com IRS quem fica sempre a perder é a classe média. O princípio seria: um aluno = um conjunto de livros e material escolar. Qual o custo desta medida? Se assumirmos uma despesa média com cada aluno de 150 euros e que seriam contemplados 1.000 alunos (notem que o Ministério paga os manuais do 1º ciclo e alguns alunos dos restantes ciclos) teremos uma verba de 150 mil euros por ano, ou seja, 1% das despesas totais do Município de Almeirim. Para terem mais uma ordem de grandeza os subsídios anuais aos clubes variaram entre os 699 e os 857 mil euros nos anos 2013-2016, ou seja, mais de 5% das despesas.

Com o envelhecimento da população as infraestruturas de saúde são fundamentais para que estes tenham um apoio atempado realizado por bons profissionais que lhes permitam viver o máximo de anos possível com uma boa qualidade de vida. A sensação generalizada da população é que o Concelho hoje em dia tem mais ocorrências policiais do que há 30 anos atrás e por isso não podemos deixar que o Estado Central na tentação de reduzir o défice acabe por reduzir os efetivos da GNR aqui presentes.

João Lopes – PSD Almeirim