O princípio de um novo começo

Com 17 anos, temos energia para dar e vender, não pensamos em limitações. Fazemos tudo, estudamos, corremos, saltamos para chegar mais rápido e a todo lado.

Quando não estamos em aulas, todo o tempo tem de ser ocupado, Futebol, andebol, atletismo, qualquer desporto para gastar energias e trabalhar o corpo, a estética, primordial nesta fase.

O meu gosto pelo campo e as atividades agrícolas familiares, direcionaram-me para a escola profissional agrícola. Os tratores, as plantas, a natureza, a labuta diária agrícola. Mas, um futuro militar, poderia ser uma opção, levou a preparar-me fisicamente, para as provas.

Necessitava de Matemática, biologia, tinha de fazer mais horas de estudo, não descuidando os amigos, as saídas, o grupo de jovens, ser acólito, ser catequista e o desporto.

Estava dividido…

Se queria um futuro na área agricola, iria para a Escola Superior Agrária de Santarém, para os exames nacionais, tinha que complementar os estudos, queria entrar na primeira opção.

Numa consulta de rotina, mencionei o cansaço e tonturas, sugeriram “é dos estudos, pouco descanço”. Abrandei o ritmo, mas, algo se passa?, mas vai passar…

Fiz exames médicos para a academia, existiam irregularidades nos resultados, mas, “não se preocupe pode ser normal, está nervoso…”

Nos exames nacionais, fiquei desiludido, mas, não comprometeram a minha entrada, na primeira opção, Escola Superior Agrária de Santarém.

Muitas mudanças, sair de casa dos pais de Lisboa para Santarém… e contínuam as tonturas esporádicas, justificando sempre, dormi mal, comi mal, o cansaço as alterações da rotina.

Mas, vou ao médico, faço exames, nada é diagnosticado.

Na ESAS, estudo, travo amizades, crio laços, novas vivências, conheço o meu amor, a Rita, que viria a ser a minha mais que tudo, nesta luta diária….

Nas minhas idas a casa, no fim de semana, levanto-me durante a noite e caio para o chão, todo o corpo com choques elétricos, em pânico mas sempre consciente, não consigo controlar o corpo. Como se deu…, em menos de um minuto, parou…

Consulto médicos, marco exames, reúno esforços para um diagnóstico.

Mais uma vez, estava a estudar, na residência de estudantes com a Rita, na altura namorada, quando, de surpresa, choques por todo o corpo, ao qual ela me levou ao hospital de Santarém.

Fui transferido para Hospital Egas Moniz, no qual depois de muitos exames mais especificos, uma equipa de neurologia formou o seu diagnóstico.

O médico chamou-me ao consultório, e disse existe uma grande probabilidade de ter “Esclerose Múltipla”, vou explicar o que é…