Crescimento leva NRB a mudar de instalações para Almeirim

Sílvia Mota e Noel Branco estiveram em Agosto de 2014 à conversa com O Almeirinense, e o grande projeto era a mudança de instalações para Almeirim… Aconteceu em janeiro de 2018!

Há quantos anos existe a NRB e qual o motivo pelo qual a empresa foi criada?
Iniciámos em 2005 um projeto de produção de Hidroponia em morango, o primeiro da região. Em 2006 começamos a distribuição de equipamentos de rega, fazendo este ano 12 anos nesta atividade. Surgimos pela necessidade do mercado em encontrar soluções de rega à medida das necessidades de cada um. Inicialmente, através de projetos e desenhos de soluções que os clientes procuravam e não encontravam noutras empresas. Ainda no mesmo ano, por insistência dos clientes/parceiros e amigos, iniciámos a importação de alguns equipamentos de rega. É por este motivo que digo que a empresa foi criada pelos nossos clientes, pois foi pela sua insistência que iniciámos este percurso que nos levou até aqui hoje.

Estavam em Paço dos Negros, porque houve necessidade de vir para Almeirim? Há quanto tempo abriram portas?
São várias as razões da mudança. Por um lado, pelas condições que podemos proporcionar aos nossos funcionários e clientes. Por outro lado, pela visibilidade que a atual localização na Zona Industrial de Almeirim dá. Há ainda outros motivos, como o facto de estarmos já num projeto de internacionalização, onde a visibilidade junto de algumas empresas parceiras nos mercados dos PALOP, Espanha e Marrocos, também tem o seu impacto, pois hoje, para além das condições de produção e expedição, também dispomos de salas de treino e formação.

Que serviços a NRB disponibiliza?
A NRB, neste momento, desenvolve, fabrica e distribui todo o tipo de soluções para a rega. Para além disso, pontualmente facultamos estudos técnicos e montagem. Possuímos também um balcão de atendimento, onde todos são bem recebidos, e onde podem ter acesso aos nossos produtos e soluções.

Como sente o sector da agricultura nos dias de hoje?
Nos dias de hoje, o sector da agricultura passa um período difícil, com rentabilidades muito baixas que, associadas a alterações climáticas, tornam o sector muito suscetível a dificuldades de ordem económico-financeira. No entanto, o dinamismo desta região na agricultura é ímpar, e não tem comparação com qualquer outra região do país, podendo, com cautela, estarmos razoavelmente confiantes no futuro.

O vosso público-alvo é maioritariamente da zona?
A nossa atividade desenvolve-se não só a nível nacional, mas também estamos presentes nos mercados de Espanha, Marrocos, Angola, Moçambique e Cabo Verde. Na região possuímos uma rede de distribuidores, no entanto também abordamos os agricultores, sempre defendendo a máxima de defesa dos nossos clientes, mas existem oportunidades em que só a NRB presente diretamente pode juntar.

O que vos diferencia?
Boa pergunta, penso que, sobretudo, a ampla gama de produtos, qualidade e a personalização de soluções para cada cliente, ou seja, se um cliente pedir uma solução que não encontre no mercado, normalmente desenvolvemos essa solução, se for exequível, claro!

Gosta de Almeirim?
Sim, estamos aqui há 13 anos e embora existam algumas diferenças culturais, porque eu vim de Leiria e a Sílvia de Odivelas, fomos extremamente bem acolhidos e parte do nosso sucesso também se deve aos almeirinenses em geral, aliás, as nossas filhas já são almeirinenses.