Almeirim abaixo da média nacional no preço do metro quadrado na venda de casas

A subida dos preços das casas em Portugal acelerou no primeiro semestre de 2018, com destaque para a evolução registada nas duas maiores cidades do país, Lisboa e Porto. O concelho de Almeirim está abaixo da média nacional e até viu o preço médio do metro quadrado no primeiro trimestre de 2018 baixar em relação ao último trimestre de 2017.

O preço por metro quadrado no concelho de Almeirim no primeiro trimestre (T1) de 2018 situou-se nos 549€ por metro quadrado, um valor mais baixo que em todo o ano de 2017 onde o valor máximo foi 573€ (3T) por metro quadrado e o valor mínimo foi 564€ (4T) por metro quadrado.

Em todo o ano de 2016 o preço médio do metro quadrado no concelho de Almeirim situou-se entre os 522€ e os 526€ por metro quadrado.

A média nacional em 2018 é de 950 euros por metro quadrado, um aumento de 1,9% em cadeia e 7,8% face ao período homólogo.

O Intituto Nacional de Estatística anunciou que, em Lisboa e Porto os aumentos nos preços médios de venda das habitações foram superiores 20%, acentuado uma diferença já elevada face a outras zonas do país.

É precisamente no município de Lisboa que se encontra o preço mais elevado, de 2.581 euros por metro quadrado, seguindo-se Cascais e Loulé. Nos três lugares opostos estão Pampilhosa da Serra (130 euros por metro quadrado), Figueira de Castelo Rodrigo (152 euros por metro quadrado) e Lajes do Pico (164 euros por metro quadrado).

Nas sete cidades com mais de 100 mil habitantes, Lisboa e Porto protagonizaram as maiores subidas no preço de venda. Mas é no Funchal que se encontra o segundo preço mais elevado: 1.405 euros por metro quadrado. Coimbra (1.224 euros por metro quadrado), Amadora (1.063 euros por metro quadrado), Vila Nova de Gaia (875 euros por metro quadrado) e Braga (705 euros por metro quadrado) ocupam as seguintes posições.

Tendo em conta estas cidades, foi no Porto que se registou a maior subida (22,7%), seguido de Lisboa (20,4%), Amadora (13%), Vila Nova de Gaia (10,8%), Funchal (9,3%), Braga (8,1%) e Coimbra (4,1%).

 

Fonte: Jornal de Negócios

 

.