Da esquerda para a direita: Outono

Com a chegada do Outono e das chuvas, deparamo-nos com cenários “dantescos”, em que a precipitação é de tal forma elevada, que nada consegue escoar o caudal.
Recuemos, não muitos anos, na grande maioria das localidades do nosso País, ao qual, Almeirim não é excepção. Tínhamos mais terras descobertas dentro das localidades, a grande maioria dos caminhos, ruas e estradas eram de terra batida ou nem isso, e claro, respeitava-se sempre o curso das águas. Tal com diz o sábio povo, “a água encontra sempre o seu caminho”.
Não obstando que haja chuvadas com maior intensidade e que, haja hoje em dia com maior frequência, teremos sempre de ter em conta que as superfícies cobertas por diversos materiais, aumentaram, e muito, sem que em muitos casos tenham sido salvaguardas as devidas medidas. Temos condutas de águas pluviais subdimensionadas, baixo número de sarjetas de escoamento, ou mal colocadas, caminhos, ruas e estradas mal direcionadas na sua inclinação de escoamento, já para não falar na limpeza e manutenção das mesmas.
Enfim, um conjunto de situações que levam, por vezes a grandes catástrofes. No entanto, nem sempre o culpado é o poder governativo, nos seus diferentes patamares, pois existem casos em que esse poder faz trabalhos de melhoramento de simples valas laterais, a estradas e alguns proprietários, insistem constantemente em tapar, para o simples “dar a volta com o trator”. Ainda há pouco tempo me foi relatado um caso, que aconteceu há alguns meses, de um funcionário ter sido ameaçado ao fazer este trabalho. Por causa dos pecados de alguns, uma comunidade sofre as consequências.

João Vinagre – CDS Almeirim

.