Opinião de Armindo Castelo Bento

Quero acreditar que todos estamos de acordo, que cada um de nós foi criado com a capacidade para dar um significado ao “nosso universo” e o resultado de tal feito, é que poderemos contribuir positivamente com o universo que está em nosso redor ou negativamente e influenciá-lo, na verdade talvez assim seja ou talvez não, mas tudo depende de nós!
Se pensarmos bem o mundo que nos envolve, bem lá no fundo, sempre acaba por ser uma projeção da nossa vida e do que carregamos dentro de nós, com aspectos agradáveis ou desagradáveis.

Tenho plena convicção que todos queremos estar em paz e sermos tão felizes quanto pudermos, o que acarreta num grande desafio de encontrarmos o caminho para conseguir tal realização.
Como disse Thomas Edison, como sabem foi um dos maiores inventores da humanidade “Eu não falhei nenhuma vez. Simplesmente descobri dez mil maneiras que não funcionam.”

Na realidade todos, em certos momentos da nossa vida, temos uma listas de coisas que, ou pensamos ou tentamos provar aos outros: Quantos felizes somos ou estamos, ou que nós realizamos, quanto duro e difícil é o nosso trabalho, que somos muito simpáticos, que somos bem sucedidos, que temos valor, que os nosso relacionamentos são maravilhosos, que amamos a nossa vida, que somos auto-suficientes etc etc. Mas, pensando melhor, será que temos mesmo necessidade disso? Por mim, entendo que não, pois a verdade é que, se reduzimos ou passamos menos do nosso tempo a pensar ou a tentar provar aos outros muitas destas coisas, ficamos com mais tempo para pensar em nós, para perceber e aproveitar tudo o que nos rodeia e os benefícios de viver a nossa vida, não em função dos outros, mas em função de nós próprios.

Acredito que a melhor coisa que podemos fazer para o nosso bem-estar geral é ter em mente do que precisamos em qualquer momento, prestar atenção a essas necessidades e honrá-las de uma maneira que sabemos que funciona para nós – e não tentar dar a parecer, numa “representação imaginária” para todos os outros.

Como alguém disse, chegou o momento de parar de pensar sobre o que não se tem e procurar por algo novo que faça o seu coração vibrar, para que se sinta satisfeito(a) e desfrute da vida com alegria. “Levante a âncora e siga em frente”, como alguém precisamos de ter sonhos para nos podermos levantar quando caímos!
Talvez, nos primeiros momentos, possa pensar que os sonhos são apenas e só imensos desejos que gritam no íntimo humano, procurando uma oportunidade para se concretizar, mas na realidade o sonho, qualquer sonho pode tornar-se real quando se empenhar a torná-lo real! É bom lembrar que, muitas vezes, a melhor maneira de expandir sua mente e alcançar uma solução é com palavras. As palavras podem levá-lo(a) a lugares que nunca foi, e a construir pontes entre as pessoas, etc. Como disse Galileu Galilei: “Não podemos ensinar nada a ninguém, mas podemos ajudar a pessoas a descobrirem por si mesmas.”

Vivemos numa sociedade que diariamente parece que nos convida a compararmo-nos uns com os outros, e tais maneiras de proceder ou propostas podem ser uma fonte de tantas frustrações e interrogações pessoais que podem levar a consequências irreparáveis, pior ainda, quando também somos, levados a pensar que dependemos de aprovações externas para nos sentirmos bem com o que fazemos ou decidimos. O resultado é que tudo isso pouco a pouco pode estar destruir a nossa própria auto-estima e a autonomia de pensar e viver a nossa vida.

Na vida, para certos aspetos temos de ser teimosos, e um erro jamais deve ser interpretado como um fim e uma queda como uma perda irreparável, devemos de maneira sóbria vê-los como uma lição a ser aprendida para fazer melhor nas oportunidades seguintes.

Acredito que chegamos aqui onde agora estamos e que já ou começamos a compreender que VIVER EXIGE CORAGEM E TAMBÉM MOTIVAÇÃO. Agora, na realidade o nosso dia a dia fica muito mais complicado e complexo quando não nos dedicamos a aprender a gostar de nós mesmos. É na verdade um caminho complicado… e vale a pena lembrar que o medo é um dos nossos principais inimigos. A experiência e a sabedoria em torno da arte de viver só são adquiridos vivendo, sendo assim, não devemos desperdiçar o que cada dia nos pode oferecer! “Dentro de vinte anos a partir de agora você irá se arrepender das coisas que você não fez, então solte as amarras e saia da sua zona de conforto, procure o vento nas suas velas. Explore, sonhe, descubra”.
(Mark Twain)

Armindo Castelo Bento
Economista

.