Necessidades aumentam Contribuições diminuem

Maria do Rosário Salavessa, responsáveis no Concelho de Almeirim pela Campanha do Banco Alimentar, a analisa a redução de voluntários e contribuições na última iniciativa e tenta arranjar explicações para o problema.

Que balanço faz da última ação? O concelho de Almeirim contribuiu com mais de 5 mil kg para Banco Alimentar Contra a Fome de Santarém (BACF). É um número bom?
Em primeiro lugar, convém sermos mais precisos: o número excedeu muito pouco os 5.000 kg, não tendo chegado sequer aos 5.100 kg.
Os 10 concelhos abrangidos pelo BACF de Santarém (Almeirim, Alpiarça, Benavente, Cartaxo, Chamusca, Coruche, Golegã, Rio
Maior, Salvaterra de Magos e Santarém) são muito diferentes, quer em número de habitantes, quer nas condições socioeconómicas
das populações.
Assim, quaisquer comparações que porventura se façam poderão conter os seus erros. No entanto, todas as contribuições são sempre
muito bem-vindas, pois além de existir muita gente a necessitar delas, representam solidariedade, boa vontade e mesmo algum sacrifício, quer por parte de quem oferece as suas dádivas em alimentos, quer por quem oferece o seu tempo como voluntário.
Analisando a quantidade de géneros angariados no nosso concelho nesta campanha, comparativamente com os restantes, mas não esquecendo os pressupostos anteriores, o concelho de Almeirim ficou colocado em sexto lugar (depois de Santarém, Cartaxo,Benavente, Rio Maior e Salvaterra de Magos).
O total de géneros angariados nesta campanha pelo BACF de Santarém não chegou aos 50.100 kg, foi cerca de 14 toneladas inferior ao total recolhido em junho de 2013 (e 19 toneladas inferior ao recolhido
em novembro/dezembro de 2013), o que, atendendo aos pedidos que nos chegam e a um BACF da dimensão do nosso, é uma enorme quebra!

Houve um decréscimo, a nível nacional, no número de voluntários. Isso também se verificou no concelho?
Neste concelho também tivemos um menor numero e muita dificuldade em angariar voluntários! Eu sou uma das quatro voluntárias responsáveis pela campanha no concelho de Almeirim (e também o sou no concelho de Alpiarça) e nunca tive tantas dificuldades nessa área como nesta última.

Que razões encontra para estes dados?
Sob o meu ponto de vista, a diminuição das ofertas de alimentos dever-se-á sobretudo ao prolongamento do estado de crise que o país atravessa; mas claro que considero também como um fator muito importante a diminuição do número de voluntários para os supermercados (onde chegou a não haver voluntários para todos os turnos) pois é aí que reside, em 1o lugar, a angariação dessas ofertas.
Não sei justificar a falta de voluntários para os supermercados – estarão as pessoas muito saturadas de tantos e diversos peditórios que
constantemente ocorrem?

Tem aumentado o número de pedidos de ajuda?
O número dos pedidos de ajuda, de um mês para o seguinte, não tem parado de aumentar (e, simultaneamente, o número de ofertas,
desde 2012, não tem parado de diminuir) – esse número é comunicado ao BACF pelas Instituições de Solidariedade Social suas parceiras.
O BACF não entrega quaisquer bens alimentares diretamente às pessoas, apenas o faz, mensalmente, através dessas Instituições.
Em consequência destes dois fatores – aumento de pedidos e diminuição de ofertas – penso que muito provavelmente será quase impossível admitir novas Instituições como parceiras, nos tempos mais próximos.

Em Almeirim tem-se feito um grande trabalho para minimizar esta problemática?
Sem dúvida que um grande trabalho tem vindo a ser desenvolvido pelas Instituições de Solidariedade Social – algumas delas apenas
com voluntários – que, no terreno, dão diariamente muito de si por toda a população, principalmente a mais carenciada.
O BACF, organiza toda a logística necessária ao decurso das campanhas semestrais de angariação de bens alimentares, assim como o seu aprovisionamento para os 6 meses seguintes, a sua conservação em armazém e a sua distribuição mensal pelas Instituições, de acordo com o no de utentes de cada uma e as suas características (se têm apenas a valência de “apoio a famílias carenciadas” ou outras). Além disso desenvolve ambos – alunos e professores da Escola Secundária
Marquesa de Alorna também têm oferecido o seu valiosíssimo tempo para a ajuda nos supermercados, os Escuteiros têm estado sempre disponíveis, sem esquecer evidentemente o precioso auxílio da Câmara Municipal de Almeirim que se tem disponibilizado sempre a ajudar nos transportes (ajuda tão necessária, sobretudo nos finais dos dias). E os indispensáveis voluntários, para completar os turnos dos supermercados e para ajudar no armazém, agindo por vontade própria, respondendo ao nosso apelo, movidos apenas por solidariedade.
Espero não estar a cometer algum erro, que seria grave, se estiver a esquecer-me de referir alguns contributos – se isso acontecer, peço imensa desculpa e estarei disponível para o corrigir um contato permanente com as Instituições.
Para todas estas tarefas são necessários muitos contributos: o BACF é sustentado, no seu dia-a-dia, por voluntários; mas as campanhas  necessitam do contributo valioso de muita mais gente, envolvendo um número enorme de pessoas, desde as Instituições suas parceiras
– quase todas ajudam ou nos transportes ou em pessoal voluntário para os supermercados e algumas em ambos – alunos e professores da Escola Secundária Marquesa de Alorna também têm oferecido o seu valiosíssimo tempo para a ajuda nos supermercados, os Escuteiros têm
estado sempre disponíveis, sem esquecer evidentemente o precioso auxílio da Câmara Municipal de Almeirim que se tem disponibilizado
sempre a ajudar nos transportes (ajuda tão necessária, sobretudo nos finais dos dias). E os indispensáveis voluntários, para completar
os turnos dos supermercados e para ajudar no armazém, agindo por vontade própria, respondendo ao nosso apelo, movidos apenas por solidariedade.
Espero não estar a cometer algum erro, que seria grave, se estiver a esquecer-me de referir alguns contributos – se isso acontecer, peço imensa desculpa e estarei disponível para o corrigir.

Qual será a próxima campanha?
A próxima campanha será, como habitualmente, daqui a 6 meses, ocorrendo num fim-de-semana,ou no final de novembro ou no início de dezembro (o BACF apenas tem 2 campanhas, por ano, para angariação de dádivas de produtos alimentares em supermercados).
Aproveito desde já, para solicitar, para essa campanha, a ajuda de voluntários para a recolha nos supermercados; assim, todas as pessoas
que nos queiram oferecer um pouco do seu tempo (os turnos de supermercado são de duração entre 2h a 3h – a maioria é de 2h30
– num sábado e num domingo), o favor de me contactarem através dos nos de telefone 917596748 ou 243597214.
No BACF de Santarém agradecemos muito todos os contributos dos voluntários e apreciamos especialmente os que vêm de habitantes
dos próprios concelhos.

.