André Sérgio sagra-se Campeão Nacional

André Sérgio sagrou-se campeão nacional de iniciados em Motocross. André foi piloto da Yamaha Valvoline e apesar da juventude está bem consciente dos desafios e dificuldades que tem a modalidade. O apoio dos pais tem sido fundamental.

André Sérgio como nasceu o gosto pelo motocross?
Eu nasci e cresci no meio do motocross pois o meu pai já corria, não sendo nada muito profissional pois já começou tarde, ele nunca me influenciou para tal pois sabia que era muito complicado o mundo das motos, ele é mecânico de motos. Um dia vi uma pequena Yamaha PW 50, na qual pedi muitas vezes para andar, e foi daí que despertou o entusiasmo para a modalidade.

Quais os principais resultados que obteve até agora?
Os meus resultados foram sempre bons dentro daquilo que eu treinava, tendo vencido o regional centro/sul de 50 cc e 65 cc e campeão nacional de 65 em 2010, também fui 4 vezes consecutivas na Mini Baja Portalegre vencedor na classe e na geral. Claro que o melhor de todos foi sem dúvida este ano tendo sido campeão nacional.

O título nacional deste ano foi o mais saboroso?
Sim, o ano passado tinha sido vice-campeão nacional e de certa forma este ano mentalizei-me com a minha preparação que conseguia chegar ao degrau mais alto do pódio, e consegui, senti-me muito orgulhoso, pois não se faz nada sem esforço, e por fim tive a minha recompensa.

Foi uma temporada de elevada exigência?
Sim de muita exigência, a minha pré-época foi muito dura. No início de Dezembro o meu pai foi contactado pela BRC para entrar para a equipa, e foi dê que comecei a treinar mais, porque não treinava com tanta intensidade, no início foi muito duro pois nunca tinha treinado assim tanto mas comecei a habituar-me.
Partiu para a última corrida em Valpaços (setembro) “quase” campeão. Sabia que estava perto e que tinha de fazer uma corrida segura?
Sim, eu sabia que tinha de jogar pelo seguro, e fazer uma boa corrida para ser campeão, na primeira manga arranquei mal mas ao início já estava na liderança, acabei por deixar passar o meu adversário e acabei em segundo n. Na segunda era só arrancar e era campeão.

No entanto ainda teve alguns contratempos nesta corrida?
Tive um mas já não me fazia diferença, tive uma pequena queda na segunda manga voltando para uns lugares mais abaixo. No entanto, arrisquei e fui subindo lugares até chegar a segunda posição novamente.

A quem agradece e dedica este título?
Agradeço especialmente a quem me ensinou muito que foi o Pedro Almeida e à família “BRC” aos meus pais e familiares em especial ao meu tio, amigos, fãs e patrocinadores. (HumanConnection, Agrizone, Designaqui, Yamaha, Brc, CFL, Valvoline).

Quais são os próximos objetivos?
Em relação aos objetivos para o ano, pois vou-me estrear nos juniores e na MX2, não estou com grandes perspetivas para ganhar ou fazer pódio, simplesmente vou para fazer o que gosto.

O facto de ter integrado a equipa oficial da Yamaha BRC Valvoline dá maior responsabilidade?
A responsabilidade é outra pois tem que se mostrar resultados e já não estamos tão a vontade a pressão é outra queremos dar o melhor que tempo para mostramos resultados .

Vai continuar em 2015 ligado à equipa?
Infelizmente não eu bem que gostava de lá estar, mas mesmo assim o Pedro da BRC vai-me apoiar.

Há possibilidade de ser também integrado num clube do concelho?
Estou a tentar integrar-me nos 20 km de Almeirim para ver se consigo arranjar alguns apoios para poder continuar no motocross.

Qual é o maior sonho na modalidade?
Eu gostava de continuar, mas cada vez está-se a tornar mas difícil, à medida que o tempo vai passando as despesas vão aumentando e com poucos apoios é incompatível com esta modalidade. Tem que se treinar muito para que se posa tem bons resultados, e com tudo tão caro, começando na moto e acabando ma gasolina não falando em todo o equipamento que é preciso (botas, capacete, óculos, calças, camisola luvas, joelheiras, colete e cinta) para que se possa andar nesta modalidade, e a manutenção da moto (pneus e muito material de desgaste).

Onde e quando treina?
Este ano treinei, regularmente na zona de Coimbra. Mas normalmente treino por aqui na zona na pista em Almeirim atrás do campo de manutenção e no Frade de cima. Treino ao fim de semana e à quarta-feira

É difícil ter tempo para conciliar o motocross, o taekwondo, a escola e a vida de criança?
Não é fácil, mas consigo gerir bem as coisas há sempre tempo para tudo mas com muita força de vontade e sacrifício tudo se consegue.

.