Há 22 anos a “construir” fatos para o Carnaval

Lurdes Apolinário já faz fatos de carnaval há pelo menos 22 anos. “Na altura fiquei sem emprego e dediquei-me à costura a tempo inteiro”, começa por contar ao Jornal O Almeirinense.

Apesar de, no Concelho, o Carnaval ter agora só corso em Benfica do Ribatejo e de existirem várias lojas a venderem fatos baratos e de qualidade duvidosa, Lurdes nota um crescimento na procura: “todos os anos há sempre que fazer mas os últimos quatro ou cinco anos têm sido os anos com mais trabalho no carnaval”.

Das dezenas ou centenas de fatos que já fez, a costureira revela que tem feito muitos trabalhos mas “um dos mais engraçados e também estranho foi no ano passado em que fiz vários legumes o que era mesmo o mais estranho era brócolo”.

A escolha destes “objetos” estranhos é normalmente feita através de modelos em revistas ou na televisão, mas crianças por norma querem o que veem nos desenhos animados, “quando mandam fazer já tem definido o que querem”.

Lurdes explica ainda que “os vestidos ditos normais não são mais fáceis de fazer, pelo contrário, tem de se ter mais cuidados , a roupa de carnaval é para brincar enquanto que a dita normal não”.

Em Almeirm há quase oito anos que não se sente a diferença na quantidade de trabalho, “há é anos em que se faz mais de novo e outros em que se faz mais reciclagem”, afirma Lurdes.

.