Lucros da Sumol+Compal duplicam em 2014

Vendas internacionais da fabricante de sumos e néctares atingiram 28,5% do total facturado no exercício passado, anunciou esta quarta-feira a Sumol+Compal, após o fecho da sessão.

 

No ano de 2014, a Sumol+Compal registou resultados consolidados, com interesses minoritários, de 11,9 milhões de euros, mais do dobro realizado 12 meses anos, em que os lucros tinham sido de 4,4 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira, 11 de Março, a fabricante de bebidas.

No mesmo período, o EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização), ou "cash-flow" operacional, ascendeu a 41,7 milhões de euros, mais 6,3% face a 2013 (ou 2,5 milhões de euros) e correspondente a 13,4% do volume de negócios, salientou a administração da companhia na comunicação. Os resultados operacionais, medidos pelo EBIT (resultados antes de juros e impostos), melhoraram em 11,7%, para 27,5 milhões de euros. No total, o volume de negócios da S+C progrediu 2,8%, para 310 milhões de euros. As vendas totais avançaram 3,8%, para 300,3 milhões de euros. No mercado internacional, a S+C vendeu 88,4 milhões de euros (mais 2,2%), ou 28,5% do total do volume de negócios realizado em 2014. Portugal, por seu turno, representou vendas e prestação de serviços de 221,6 milhões de euros, melhorando 3% o desempenho anual face a 2013. A margem bruta, que foi de 164 milhões de euros em 2014, subiu 4,9% face a 2013. O grupo explica a "melhoria da margem bruta" (de 51,8% para 52,9%) "principalmente" pela "maior integração da cadeia de valor nas operações internacionais e da redução do preço de compra de algumas matérias-primas relevantes". Numa leitura global do desempenho de 2014, a administração da fabricante, liderada por Duarte Pinto, salienta que a "melhoria operacional da Sumol+Compal e a conjugação da dinâmica das unidades de mercado de Portugal+Espanha e de exportação" foram "determinantes para o crescimento do lucro líquido, aliado a um ambiente macroeconómico mais positivo, resultante da retoma do consumo privado".

O ano de 2014 fechou com uma diminuição de 93,5 milhões de euros (ou menos 34,6%) da dívida remunerada líquida da S+C, para 176,8 milhões de euros, "correspondente a 4,2 vezes o cash-flow operacional (EBITDA)". "Este rácio tinha sido de 6,9 em 2013 e 8,3 em 2012", salienta a direcção da companhia e comunicado, que recorda o "impacto significativo" da operação da venda de 49,9% da Sumol+Compal, pela S+C, ao grupo Castel (via Copagef), por 88,2 milhões de euros no não passado. O que levou, sublinha, a um aumento "com expressão" do capital próprio, "para 224,1 milhões de euros no final do exercício", adianta.

Fonte: https://www.jornaldenegocios.pt/

.