Bombeiros de Almeirim assistem parto em ambulância

Para Sérgio Gonçalves e Tiago Lopes, bombeiros voluntários em Almeirim, tratava-se de mais uma noite de serviço. Preparados para tudo, mas longe do imaginário que poderiam ter que fazer um parto.

BOMBEIROS_bebePerto das 3h30 da manhã, do dia 24, uma chamada do INEM para ir buscar a Ana Rosário. Estavam cumpridas 40 semanas e seis dias de gestação e dilatação avançada. O Hospital Distrital de Santarém era o destino, mas ainda em Almeirim, entre as duas rotundas na rua do Centro de Coordenador de Transporte o Duarte decidiu nascer. Ana Rosário, que já tinha duas filhas, sempre acreditou que “dava tempo para chegar a Santarém. Nunca imaginei que isto acontecesse. Fiz a dilatação muito rápido e quando chamámos os Bombeiros eu não aguentava mais”. Ao jornal O Almeirinense, Ana Rosário descreve ainda como “um momento difícil. Estávamos todos atrapalhados, mas os bombeiros foram muito corajosos. Foi o bombeiro Tiago que cortou o cordão umbilical”. O momento foi especial e os dois bombeiros com a médica do INEM fizeram, ainda no Hospital, uma visita ao pequeno Duarte e à mãe.

Já em março de 2012, Madalena Cardoso e Hugo Gonçalves, os dois elementos dos bombeiros voluntários de Almeirim, tiveram que prestar assistência a uma recém-nascida escassos minutos depois de vir ao mundo. Os pais tinham saído de casa na freguesia de Benfica do Ribatejo, a caminho do Hospital de Santarém, mas a bebé acabou por nascer a poucos quilómetros de casa, perto da Quinta da Alorna, na Estrada Nacional 118, e dentro do carro da família.

 

 

.