Maria do Albertino passou o testemunho

Rita Moura mãe de dois filhos, um menino de oito e uma menina de três, estava desempregada e decidiu abraçar um projeto com muita história e tradição em Almeirim: dar continuidade ao mini mercado da Maria do Albertino, junto às Escolas Velhas.

Quando é que ficou à frente da mercearia “Maria do Albertino”?
Fiquei à frente da mercearia no dia 30 de agosto de 2015.

Porquê, quando surgiu esta oportunidade?
Esta oportunidade surgiu porque o meu marido era cliente, e em brincadeira com a Maria, em março deste ano, falaram num possível trespasse do negócio. A Maria estava muito cansada nesse dia e lançou o desafio em jeito de brincadeira, mas a ideia não saiu da cabeça do marido todo dia e quando chegou a casa contou-me a conversa que tinha tido. Tendo em conta que eu estava desempregada, ele fez-me ver que seria uma oportunidade única e visto esta ser uma ideia que já tinha-mos há muito tempo (ter um negócio só nosso), pensámos ambos em avançar, sem olhar para trás. Era uma casa com nome, casa feita, com clientes fidelizados… pensei… e porque não? Há-de correr bem! Mantendo a qualidade e havendo um serviço personalizado como se quer neste tipo de estabelecimento, penso que é uma aposta ganha.

Porque não alteraram o nome?
Pensámos, eu e o meu marido, em alterar o nome e foram-nos passando alguns pela cabeça, mas acabámos por decidir manter, pois além de ser uma casa com a história que tem, seria também uma forma de homenagear e lembrar a sua antiga proprietária. Carinhosamente até já sou conhecida como a Rita do Albertino!

Como foi recebida por parte dos clientes ao fim de 46 anos da Maria estar à frente deste espaço? Qual tem sido a reação?
Fui muito bem recebida por todos até porque estive a trabalhar com a Maria dois meses antes da sua saída e ela ainda me acompanhou no mês de Setembro. Foi uma transição muito natural e penso que as pessoas já se habituaram a mim. Tem sido muito gratificante!

Qual pensa ser a receita para a continuação do serviço de proximidade que tem conseguido manter?
Penso que a qualidade e frescura dos meus produtos são o meu melhor cartão de visita. Tenho fornecedores diários e com produtos de excelência. Quis manter tudo o que os clientes estavam habituados e posso dizer que tenho produtos muito bons e frescos.

Manteve os serviços e fornecedores que já existiam anteriormente?
Sim, sim, justamente quis manter todos os serviços iguais! Além de ter o serviço de mercearia, frescos, congelados, pão caseiro quentinho muitas vezes, queijo fresco, as rações para todo o tipo de animais. Quero oferecer ao meu cliente o melhor produto, de melhor qualidade ao mais baixo preço!

Plano para o futuro? Vai implementar algumas mudanças para o ano que se aproxima?
As novidades podem ser implementadas conforme as necessidades, quero acompanhar as preferências e ter em conta sempre e unicamente a qualidade para fidelizar os meus atuais e futuros clientes!
A novidade é que os clientes com pouca mobilidade ou com alguma idade, podem vir fazer as suas compras ou fazer encomendas pelo telefone e nós levamos a casa. Esta vai ser uma forma de colmatar uma lacuna e “dar uma mão” às pessoas que têm esta dificuldade. Em relação às farinhas, voltamos a ter as entregas ao domicílio, para prestar uma melhor serviço aos nossos clientes.

Horários e contactos:
De segunda a sábado – 7.15 às 19h (ou até haver clientes) Domingo – 7.30h às 13h
Tel: 243 592 179 | Tlm: 962 824 417

.