As urnas não mordem

No domingo, dia 24 de janeiro realizaram-se as eleições presidenciais que elegeram Marcelo Rebelo de Sousa à 1ª volta. Em Almeirim, as mesas associadas aos mais jovens, registaram péssimos níveis de afluência. O problema é geral. Mas será que em Almeirim não se pode fazer mais?
Nas mesas 7, 8, 9 e 10, onde votam os eleitores mais novos na cidade, estão registados 4178 eleitores, de onde votaram apenas 1442, um número que representa 65,5% de abstenção.
Estes são números alarmantes, tendo em conta que é precisamente quando completamos 18 anos que mais interessados devíamos estar em votar. Seja pelo efeito novidade, seja pelo facto de podermos sentir pela primeira vez que algo depende de nós e que podemos também nós dar um pequeno contributo para a mudança ou para a consolidação dos atuais protagonistas.
Apesar de esta ser uma tendência nacional, é com surpresa que verifico uma inatividade das juventudes partidárias locais na promoção de um maior interesse pela política. Esta questão é ainda mais pertinente num concelho onde foram “criados” importantes dirigentes distritais e nacionais. Isto porque, é importante não esquecer que paralelamente às ambições pessoais de cada dirigente, existe um objetivo em comum que é o de fazer mais e melhor “pela nossa terra”. Quero acreditar que as juventudes partidárias em Almeirim não são apenas pontos de passagem para outros voos, é que mudar a imagem das jotas começa precisamente nas estruturas locais.
Ainda sobre as presidenciais, queria deixar uma nota acerca do resultado de Maria de Belém, onde Almeirim foi ponto de partida numa tarde com um Cine-Teatro despido, antevendo aquilo que foram uns complicados 15 dias para a ex-presidente do PS, que também em Almeirim saiu muito derrotada (4º lugar), apesar do empenho pessoal do presidente da Câmara.
Nota final para o falecimento de Sousa Gomes, o presidente da Câmara que atravessou o crescimento da minha geração, os períodos de associações de estudantes, de início da vida política e de cidadania ativa. Era um exemplo de serviço público que deve inspirar aqueles que são os protagonistas de hoje e também os de futuro.
Miguel Dias
Estudante de Jornalismo

.