Maria Fronteira é terapeuta da fala em Almeirim

A terapia da fala é uma especialidade na área da saúde muito importante nos tempos que correm. Quando os problemas relacionados com a fala são atempadamente verificados, a sua correção torna-se mais fácil de ser colmatada. A terapeuta Maria Fronteira adora aquilo que faz e não se vê a fazer outra coisa.

Há quanto tempo exerce e porquê a escolha desta área?
Há 4 anos. Acabei o curso em Setembro de 2011 e comecei a trabalhar em Março de 2012.Sempre soube que queria uma profissão ligada à área da saúde, e de preferência às crianças. Queria poder ajudar os outros, queria dar o melhor de mim e fazer a diferença na vida de alguém.
Antes de entrar para a faculdade, tive a oportunidade de ir a um hospital conhecer todas as áreas, e a Terapia da Fala foi sem dúvida a que me despertou maior interesse. E assim foi. Desde então que tornei este meu sonho realidade. É a minha maior paixão.

O que é a terapia da fala?
A Terapia da Fala é a área da saúde responsável pela prevenção, avaliação, intervenção e estudo científico das perturbações da comunicação humana, englobando não só todas as funções associadas à compreensão e expressão da linguagem oral e escrita, mas também outras formas de comunicação não verbal. Engloba ainda a prevenção, avaliação e tratamento da deglutição.
As perturbações reportam-se à fala e à linguagem, ao funcionamento auditivo, visual, cognitivo, muscular oral, respiratório e vocal.

Quais os sinais indicadores de que precisamos de recorrer a um terapeuta da fala? No bebé, na criança?
Deve-se procurar a avaliação de um Terapeuta da Fala sempre que se suspeite de alguma alteração no âmbito da comunicação, linguagem, fala, voz ou deglutição, em crianças e adultos. O Terapeuta da Fala avaliará o caso clínico em questão e concluirá acerca da necessidade, ou não, de acompanhamento.

Deverá recorrer-se à Terapia da Fala quando uma ou mais destas situações se verificar:
-Ter 2 anos e ainda falar pouco
-Comunicar só por gestos
-Dizer muito menos palavras que as crianças da mesma idade
-Não compreender o que lhe dizem
-Ter dificuldades em expressar aquilo que pretende
-Ter mais de 4 anos e evidenciar sinais de gaguez
-Ser “sopinha de massa” ou falar de uma forma distorcida
-Trocar algum som/letra a falar
-Não dizer determinado som ou dizer incorrectamente
-Ter um discurso que por vezes é impercetível e/ou incoerente
-Atrapalhar-se a falar
-Ler devagar e ter dificuldades em compreender o que lê
-Trocar alguns sons/letras na leitura e na escrita
-Ter dificuldades em associar sons às letras
-Fazer frases com erros gramaticais
-Escrever com muitos erros (ex: trocar o F pelo V)
-Gritar ou falar muito alto e ficar rouco/a com frequência
-Respirar maioritariamente pela boca

Quais as áreas onde um terapeuta da fala intervém?
O Terapeuta da Fala intervém a nível da Comunicação (doenças degenerativas do Sistema Nervoso Central (SNC), autismo e alguns síndromes); Linguagem (durante o desenvolvimento da criança ou após acidentes neurológicos, como o (AVC), Traumatismos Crânio-encefálicos (TCE); Linguagem Escrita (dificuldades em ler e escrever, Dislexia, Disortografia); Articulação (dificuldades em pronunciar um ou mais sons por várias causas); Fluência (gaguez); Voz (o Otorrinolaringologista é o médico responsável pela realização do exame e diagnóstico da causa da alteração vocal. O Terapeuta da Fala intervém na prevenção da sintomatologia, na cessação dos maus usos e abusos vocais e na prática de saúde vocal); Motricidade Oofacial (relaciona-se com o desenvolvimento, aperfeiçoamento e reabilitação dos órgãos fonoarticulatórios e região cervical, bem como das respetivas funções estomatognáticas (a sucção, a mastigação, a deglutição, a respiração e a fala).

Há muitas crianças no nosso concelho com dificuldades nesta área?
Sim, algumas. O que se verifica é que nem todas (por diversos motivos) têm acompanhamento. A Terapia da Fala é uma profissão pouco conhecida pela população em geral, originando mitos e ideias sobre as suas áreas e formas de atuação.
Cabe-nos a nós, Terapeutas da Fala, informar e sensibilizar os pais e outros profissionais de saúde (pediatras, médicos de família…) para a importância desta área.
“Quando for para a escola isso resolve-se!”; “Ele ainda é muito pequenino, isso passa-lhe com a idade…!”; “O que ela tem são mimos a mais!” São afirmações que oiço muitas vezes, que na grande maioria dos casos não são verdadeiras. A intervenção do terapeuta da fala não se restringe a idades e deve iniciar-se o mais cedo possível, de preferência quando o problema é detetado. Uma deteção atempada, iniciando a terapia numa fase precoce do desenvolvimento, mesmo antes dos três anos, apresenta melhores resultados e um maior sucesso. Em alguns casos, a criança pode ultrapassar a dificuldade com a continuidade do seu desenvolvimento. Contudo, não é algo observável em todos os casos, e esperar que tal aconteça poderá agravar o problema e aumentar o atraso no desenvolvimento da área comprometida.

Uma criança que revele alguma dificuldade a este nível, se não for devidamente acompanhada, pode ter dificuldades acrescidas no seu futuro?
Sim. Por exemplo, uma criança que tenha lacunas na área da Linguagem e/ou Articulação Verbal, caso não tenha o devido acompanhamento, futuramente terá dificuldades na aprendizagem da leitura e da escrita. A nível social e na interação com os seus pares, também poderá ter repercussões negativas.

Onde podemos encontrar os seus serviços?
Trabalho em Clínicas em Almeirim (Clinicalm) e em Santarém (A.S Clínica e na Climeco).

Contactos: Clinicalm- 938474924; A.S Clínica- 963735821; Climeco- 917856465
Também trabalha em Jardins de Infância e faz domicílios (casa, escola, colégio, ATL)
Contacto: 916121526

.