Da esquerda para a direita: Pontes

Pontes há muitas efetivamente, mas a nova ponte sobre a Vala Real em Benfica do Ribatejo inaugurada recentemente é no mínimo sui generis e de uma especificidade singular. Ímpar pela brilhante inauguração que foi muito mais do que um ato oficial ordinário, mas sim um momento etnográfico mágico a fazer lembrar os tempos, as tradições e costumes de outrora. Um momento culturalmente louvável pela interpretação e recriação do Rancho Folclórico de Benfica do Ribatejo que incluiu não só os trajes, os cânticos e danças endógenas, mas também a navegação em plena vala com uma vetusta, mas recuperada bateira avieira, homenageando assim a arte que tanto diz às nossas localidades ribeirinhas que no passado dependeram economicamente dos recursos que a água doce trazia e ainda traz. Singular pelo impacto económico da nova infraestrutura. Depois de no ano de 2014 vermos o Presidente do Município debater-se junto da administração central por ver aprovada na forma do Decreto-Lei nº133/2014 a alteração ao regulamento para o aumento da capacidade de transporte permitida das cargas de matérias-primas como é no caso do tomate e da uva, introduzindo assim a permissão para o transporte máximo de 60 em vez das habituais 40 toneladas, agora e complementarmente dá-se ainda mais e melhores condições pela mão dos fundos comunitários ao sector de maior relevo económico no concelho. O impacto destas medidas é incalculável só e apenas através de meras somas e subtrações matemáticas pois trata-se de um investimento com inestimáveis resultados para a agricultura e para todos os produtores, trazendo eficiência e eficácia ao sector, reduzindo custos de produção e inerentes custos logísticos. Quem mantém constante o despropósito nas acusações ao atual executivo pelo não investimento e pelo não estimular da economia local e regional, não só recai em demagogia como não alcança a realidade e a essência da aplicação dos fundos comunitários em obra que valoriza e acrescenta valor. A cereja no topo do bolo nesta obra, que pelos indicadores que temos à data poderá ser uma realidade no médio prazo, passa pela aplicação de nova pavimentação e alargamento de via em todo o traçado da estrada de campo que vem desde a ponte da vala em Almeirim. Paralelamente, mas não menos relevante, a intervenção de estabilização e recuperação da velha ponte do séc. XIX que se encontra ao lado da recém-inaugurada para efeitos de passagem pedonal e como preservação do espólio histórico-cultural concelhio, foi enunciada como o próximo passo a dar. Mais que obra, temos desígnios e progresso…

Eduardo Oliveira
Partido Socialista
Estudante Universitário

.