Da esquerda para a direita: Saúde mental

As perturbações psiquiátricas e os problemas de saúde mental tornaram-se a principal causa de incapacidade e uma das principais causas de morbilidade, nas sociedades atuais, de acordo com o Plano Nacional da Saúde Mental 2007-2016, justificando-se a preocupação e o investimento nesta área. Visto que “a doença mental abrange um leque variado de perturbações que afectam o comportamento emocional, social e intelectual, manifestando-se em determinado momento ao longo da vida, antes do qual não existem alterações ou perda de capacidades. Pode, portanto, em muitos casos ser curada” (Fazenda, 2006).
Em 2013 as Comunidades Intermunicipais da Lezíria do Tejo e Médio Tejo solicitaram aos Conselhos Locais de Ação Social do seu território a realização de um diagnóstico da saúde mental, a fim de integrar o Programa Territorial Integrado para 2014/2020, por proposta do Centro Distrital de Segurança Social.
Analisando o relatório, podemos concluir que Almeirim é dos municípios mais populosos da região da Lezíria do Tejo, registando um aumento de 6,5%, em 2011; relativamente à idade da população, somos o segundo concelho com aumento da população dos 0-14 anos. A Taxa de Analfabetismo na Lezíria do Tejo é de 7,46%, sendo superior no sexo feminino (9,82%). O município com uma menor taxa de analfabetismo é o Cartaxo (5,02%), em Almeirim esta taxa ronda os 8.99%, sendo superior no sexo feminino (11.9%). O município de Salvaterra de Magos tem a maior taxa de desemprego da Lezíria do Tejo (17,47%), seguido dos municípios de Almeirim (14,13%) e de Alpiarça (14,00%). A Taxa Bruta de Mortalidade na Lezíria do Tejo observa uma evolução crescente, mas não muito expressiva, de 2011 para 2013. Alguns municípios expressam esta tendência (Coruche, Benavente e Almeirim) mas outros, como Santarém, apresentam uma tendência decrescente. Os dados caracterizam a população que é acompanhada nos serviços de saúde, no âmbito da saúde mental de acordo com o concelho, o sexo, o grupo etário e a patologia psiquiátrica apresentada. É importante ter-se em conta que as pessoas com problemas no âmbito da Saúde Mental são atendidas quer nos Centros de Saúde, quer nos Cuidados Hospitalares, e ainda em contexto de especialidade, no caso das dependências. De acordo com os ACES e o CRI Ribatejo, no foro psicológico foram trabalhados vários grupos de problemas como as psicoses afetivas e Esquizofrenia; demências e alterações da memória; perturbações depressivas; suicídio e tentativa de suicídio; abuso de álcool e drogas e anorexia nervosa/bulimia.
Com estes dados, e tendo em conta as fragilidades crescentes na saúde mental, necessitamos de estruturas que possam incidir nos cuidados continuados integrados, salientando o bom e árduo trabalho que o CRIAL tem vindo a desenvolver no nosso concelho, assim como outras entidades, mas são necessários mais apoios para que possam melhorar as suas respostas e o atendimento à população.

 

Ana Rita Fernandes
Membro da Ecolojovem – Os Verdes e da CDU de Almeirim

.