Há três anos realizaram-se as eleições autárquicas. Daqui a um ano há novo sufrágio

29 de Setembro de 2013. Neste dia, 10.096 almeirinenses escolheram aquele que é hoje o actual presidente da Câmara de Almeirim, Pedro Ribeiro, elegendo ainda mais quatro vereadores socialistas, uma vereadora da CDU e um vereador da coligação Amar a Terra (PSD/CDS/MPT).

O facto de hoje se assinalarem três anos sobre as últimas autárquicas significa também que faltam apenas 365 dias para as próximas eleições locais. Há três anos atrás, as autárquicas foram particularmente desafiantes porque significavam uma mudança de ciclo.

Sousa Gomes tinha atingido o limite legal de mandatos e Almeirim iria escolher um novo presidente da Câmara. Tal facto levou à criação de um outro movimento independente, o segundo em simultâneo no concelho, aumentando para cinco o número de candidaturas à autarquia.

Os resultados são sobejamente conhecidos. O Partido Socialista liderado por Pedro Ribeiro alcançou uma sólida maioria absoluta com 58,9% dos votos, deixando o segundo classificado, a CDU com 11,5% dos votos, exactamente os mesmos do PSD/CDS/MPT e relegando os movimentos de cidadãos para os dois últimos lugares.

A par da autarquia, o PS foi o grande vencedor em todo o concelho, conquistando maiorias absolutas em todas as freguesias e também na Assembleia Municipal.

A CDU registou um fracasso face aos objectivos em Benfica do Ribatejo, onde Amândio Freitas era um claro candidato à vitória; o PSD/CDS/MPT fracassaram para a autarquia, onde aumentar o número de vereadores e em Fazendas de Almeirim, onde a candidatura de Ernestino Tomé Alves ambicionava mais. Já os movimentos de cidadãos, falharam em toda a linha, elegendo apenas para as Assembleias de Freguesia e Assembleias Municipais.

No dia 29 de Setembro de 2013, a vereadora Sónia Colaço dizia à Almeirinense TV que “esta maioria PS é mais do mesmo”, associando Pedro Ribeiro à liderança de Sousa Gomes. Já o cabeça-de-lista do MICA, Nuno Fazenda, agora presidente do PSD, mostrou-se surpreendido, considerando ter “o melhor programa e a melhor equipa”, deixando em aberto o futuro do movimento.

À direita, Manuel Sebastião considerou na altura que “o Movimento Zé Gomes uniu o PS”, considerando o resultado do PSD “um bom resultado, por passar a ter um vereador”, apesar de na altura dizer que não iria ocupar o lugar, o que não veio a acontecer ao longo dos últimos três anos.

O Movimento Zé Gomes, encabeçado por Rosa Nascimento, considerou que não existiu tempo para passar a mensagem de que Sousa Gomes já não pertencia ao Partido Socialista, acreditando que tinha conseguido eleger mais membros caso “não existisse a confusão com o PS”.

Já o presidente eleito nessa noite, Pedro Ribeiro, disse que “os eleitos trabalharão para toda a gente”.

29 de Setembro 2016. O PS mantém o seu executivo com Pedro Ribeiro, Paulo Caetano, Maria Emília Moreira, Joaquim Sampaio e Eurico Henriques. Sónia Colaço mantém-se como vereadora da CDU e Manuel Sebastião como vereador do PSD/CDS/MPT, depois de ter voltado com a palavra atrás. Nuno Fazenda deixou o MICA e assumiu os destinos do PSD, e quanto aos movimentos independentes, pouca ou nenhuma actividade tem existido nos últimos anos, limitando-se a algumas representações por parte de membros eleitos para as Assembleias Municipais ou Assembleias de Freguesia.

Daqui a um ano os almeirinenses são novamente chamados às urnas e a pergunta que paira no ar é: para quando o tiro de partida?

Confira aqui o quadro final de resultados.

E aqui reveja o video da vitória de Pedro Ribeiro.

Miguel Dias

.