Investigadora salva almeirinense na praia

O dia 18 de setembro foi marcante para um almeirinense de 47 anos, que esteve à beira da morte. Um fim de semana em Setúbal quase acaba em tragédia, no dia 18 de setembro.

Depois de um mergulho em Sesimbra, o almeirinense teve um enfarte do miocárdio com três paragens cardiorrespiratórias.
“Saí da água, fiquei de joelhos e caí”, descreve ao repórter Daniel Cepa, o almeirinense que esteve à beira da morte, e só é possível contar a história porque “a salvação foi estar junto de mim uma médica cardiologista que é Investigadora na Universidade de Lisboa”.
O homem esteve 17 dias internado entre Setúbal e o Hospital de Santa Cruz em Lisboa. A pronta decisão em colocar a cabeça envolvida em muito gelo foi decisiva para não ter sequelas.

Esses momentos foram de enorme aflição, com o almeirinense inconsciente e a mulher a ver, desesperadamente, a médica a tentar reanimar o indivíduo.
Depois de socorrido na praia, o almeirinense é transportado pelo INEM, e daí também não chegaram, num primeiro momento boas noticias: “O Coração estava apenas a funcionar a 12%, e não sabemos se o conseguimos recuperar, podem pensar no pior”, diziam os médicos, já no hospital sadino. Depois, já em Lisboa, e porque quando uma artéria coronária se encontra mais estreita ou bloqueada é necessário restaurar esse fluxo de sangue e, para isso, o procedimento mais comummente utilizado é o by-pass coronário, ao almeirinense foram colocados dois.

.