Almeirim

Verão de 2000. Chegava a Almeirim. Tudo era novo para mim. E num ápice passaram 16 anos. Almeirim cresceu, amadureceu e tornou-se uma cidade cada vez mais atrativa, quer para quem nela reside, quer para quem nos visita.
Recordo a inauguração do tribunal de Almeirim que aproximou a população da justiça, sem que por tudo e por nada fosse necessário deslocarmo-nos a Santarém.
Ainda em 2001, presenciei pela última vez o desfile de Carnaval que tanto alegrava as ruas da cidade. Com atores de telenovela, Almeirim enchia-se de visitantes que vinham ver os foliões. Foi uma tradição que se perdeu e que saudades deixa a muitos.
E na altura vivia-se o boom na construção civil. Almeirim crescia a olhos vistos. Em todo o lugar surgia uma nova construção dando uma nova aparência a esta terra que precisava de uma nova imagem.
Vimos surgir o Centro de Transportes, a requalificação do Cineteatro, o Parque das Tílias, mais recentemente a aquisição e demolição dos antigos celeiros da EPAC e as instalações que outrora pertenceram ao IVV.
Acredito que Almeirim irá continuar a crescer.
Mas marcante foi certamente o surgimento das grandes superfícies no concelho. Sinais dos tempos, que obrigaram os almeirinenses a acompanharem também essa evolução no comércio. Em prejuízo do pequeno comércio que ainda hoje necessita de esmerar na qualidade para se poder impor e vingar.
Registo também a implementação em todo o concelho de sistema de esgotos e águas que permitiram encurtar distâncias entre as áreas mais urbanas e a periferia.
E vejo com agrado também uma cada vez maior preocupação da comunidade pelos mais carenciados. A existência de várias associações sem fins lucrativos permite-nos acreditar que há quem esteja atento a todos aqueles que de mais ajuda precisam.
E todos nós podemos atenuar essas carências. Basta que para tal queiramos.
Um Santo e Feliz Natal e bom Ano Novo de 2017.

Jorge Veiga Dias – advogado

.