Minoc: Um novo vinho lançado em Alpiarça por uma alentejana

Rita Conim Pinto é natural de Extremoz mas fixou-se em Alpiarça onde casou e tem o maior projeto… o filho. Mas há agora mais um projeto. O vinho Minoc que é também uma homenagem familiar. Em entrevista a O Almeirinense, Rita Conim Pinto fala um pouco mais deste vinho, das ligações a Extremoz e de projetos para o futuro.

Quem é a Rita Conim Pinto?
A Rita é uma apaixonada pela vida e pelos bons momentos. Tem 35 anos, é natural de Estremoz, estudou na Escola Superior Agrária de Santarém e quis o amor que ficasse por terras ribatejanas. Reside em Alpiarça, é casada e tem um filho, que considera o seu maior projeto.

Como surgiu esta paixão pelo vinho? O que a fez enveredar pela enologia?
A paixão pelo vinho surge talvez por motivos culturais. Estremoz é uma cidade lindíssima onde existe uma grande atividade de produção de vinhos, tem vinhas que se assemelham a verdadeiros jardins e foram, naturalmente, fonte de inspiração no momento de decidir academicamente qual o rumo a escolher.
Associado a isso, sempre me fascinou a arte de fazer vinho, transformar matéria-prima num néctar que promove alegria e contacto humano. Estabeleço o paralelismo de criar um vinho à conceção de um filho: são aproximadamente nove meses na vinha a desenvolver uvas; o nascimento, quando é a colheita e a criação, ao trabalho de adega, para então os preparar e batizar para irem para o mundo, conhecer pessoas e interagir.

Em agosto lançou o seu primeiro vinho. Como surgiu este projeto?
Este projeto é um sonho tornado realidade, soma de anos de experiência na área da enologia e também promoção e respetiva comercialização. Fui seriamente apoiada pelo meu marido a avançar a solo, que me questionava várias vezes, “Se sabes o que queres e como fazê-lo, porque não avanças?”.
Era algo que acalentava há muito tempo, era um sonho em fase embrionária, que felizmente ganhou forma. Uma prova de que quando se acredita consegue-se alcançar.

O que é o Minoc?
O Minoc é um vinho de assinatura multiregional, um artigo premium de produção limitada, uma prova viva de que quando se sonha é possível concretizar.
De assinatura, porque sou eu que o produzo e comercializo; multiregional, porque pode e vai, naturalmente, surgir noutras regiões, para além do Tejo e de exclusividade, porque trata-se de um vinho de nicho, para consumidores que pretendam obter vinhos diferenciados e com personalidade.
O nome trata-se de uma homenagem familiar, Minoc é o anagrama do meu apelido Conim, apelido único em Portugal e pela sua singularidade e orgulho que tenho no mesmo, faz sentido que seja o nome do meu vinho. Ao contrário, para proteger a essência do apelido e porque acredito que a vida às vezes tem de ser vista ao contrário, por outro prisma.
Criei um Minoc Branco (Arinto e Fernão Pires) – um vinho fresco e frutado, e um Minoc Tinto (Syrah, Touriga Nacional e Cabernet Sauvignon) – um vinho macio e com suaves notas de madeira, ambos vinhos regionais, certificados na campanha de 2015.

Onde podemos encontrar o Minoc à venda?
Tendo em consideração a dimensão e caracterização do Minoc, este encontra-se à venda em locais específicos e especializados na área.
Um local que tenho muito orgulho em que esteja, é o mini-mercado Pinto, dos meus Pais, em Estremoz. Foi onde cresci e ganhei apetência para o negócio, uma loja de família, que já vai na segunda geração e onde é possível encontrar produtos regionais de alta qualidade.
Em Almeirim, encontra-se à venda na Garrafeira Borrego, e em Santarém, na Loja Tradições, na Garrafeira Dom Vinho, na Pérola do Ribatejo (Venceslau), na Merceria Sacapeito e na Frutaria da Clara.
Em Tomar, na Iguarias do Convento, e em Lisboa, na Garrrafeira de Alvalade e no Sabores do Chiado.
Neste momento, não existe distribuição assegurada por nenhum distribuidor, sou eu que vou em busca de oportunidades, com a preciosa ajuda de muita gente que quer o Minoc chegue mais além e entrego diretamente.
A forma mais direta de obter o vinho ainda parte por entrarem em contacto comigo.

Projetos para o futuro?
O próximo projeto definido para a marca é lançar um Minoc no Alentejo, em Estremoz, a minha terra natal. Já houve acompanhamento nesse sentido, nesta vindima de 2016 e será a próxima novidade. Dar consistência à marca, conquistar um lugar no mercado, continuar a produzir vinhos agradáveis, que sejam procurados e reconhecidos em qualquer lugar onde haja pessoas que gostem de apreciar bom vinho.
Quero aproveitar esta oportunidade para dizer que o Minoc é um projeto de simbiose humana, é um verdadeiro exemplo do passa-palavra, no qual tem as suas raízes. A melhor publicidade de um produto é, sem dúvida nenhuma, o boca-a-boca e a ajuda que me tem surgido das mais diversas pessoas. Não posso só referir uma ou duas, porque são mesmo muitas, têm-me feito crescer muito humanamente e posso afirmar que com o Minoc tenho enriquecido muito enquanto pessoa, está a ser uma experiência/viagem muito boa.
O meu sincero obrigada a todos e fico muito feliz por partilharem a minha felicidade.

.