Escola Superior de Saúde recebe sessão sobre tuberculose

O Centro de Diagnóstico Pneumológico de Santarém, em parceria com a ACES Lezíria, vai promover no próximo dia 23 de março, véspera do Dia Mundial da Tuberculose, uma sessão pública sobre esta doença que ainda permanece um importante problema de saúde pública. A sessão terá lugar no Auditório da Escola Superior de Saúde, pelas 14h30, em Santarém.

Na sessão do dia 23 de março, para além de falar de como lidar com a doença, serão apresentados dados da situação epidemiológica no distrito de Santarém e no país. A sessão terminará com a conferência sobre “A tuberculose e o tango”, em que, através da música se ilustrará como a doença era sentida em meados do século XX.

A 24 de Março de 1882 – fará este mês 135 anos – foi apresentada à comunidade científica, em Berlim, a descoberta do bacilo que era o causador de uma doença que, na altura, era altamente prevalente nas sociedades ocidentais e era causadora de inúmeras mortes, de doença prolongada, de sofrimento e das angústias que este grave quadro epidemiológico faz imaginar. Sendo uma doença de evolução lenta, ela “existia” com formas prolongadas no seio das famílias, um caso muitas vezes reproduzia novos casos, atingia toda as camadas sociais (embora de uma forma muito mais intensa nas famílias das cidades, vivendo com dificuldades económicas e em habitações sobrelotadas). Robert Koch, apresentou a sua descoberta, e, conhecendo o agente da doença, abria-se o caminho para o seu controle; no entanto, mais de cem anos depois, continuamos a ter a nível mundial uma grave situação epidemiológica.

A tuberculose é, desde os anos 50 do século passado, uma doença curável e, do ponto de vista individual, qualquer pessoa deve encará-la como tal: o que é preciso é que, se a pessoa se sente doente recorra ao seu médico, pois que, feito o diagnóstico, o tratamento existe e resolve a doença. Ainda muitas vezes vemos encarar a tuberculose como um mal terrível, de contornos obscuros e incontrolável. A nível mundial, em zonas onde não há assistência médica disponível, e sem tratamento, a tuberculose continua a comportar-se como há cem anos e a ser um gravíssimo problema para as populações. Não é essa a realidade no nosso país e em todos aqueles onde há sistema de saúde e tratamento disponível. Diagnosticada a tuberculose o tratamento existe e é eficaz!

 

Unamo-nos para acabar com a tuberculose!

 Este é o lema do Dia Mundial da Tuberculose em 2017: os serviços de saúde atuando, os doentes recorrendo ao seu médico quando necessário, tratando-se e cumprindo corretamente o esquema de tratamento, e a sociedade em geral, solidariamente apoiando os que mais necessitam de apoio – podemos controlar a tuberculose!

.