GNR percorre freguesias para identificar terrenos por limpar (VÍDEO)

O Comando Territorial da GNR de Santarém iniciou na segunda-feira, 5 de fevereiro, nos concelhos de Almeirim, Alpiarça e Cartaxo o projeto “Prevenir Já” inserido na operação “Floresta Protegida 2018”.

Várias equipas da Proteção da Natureza e do Grupo de Intervenção e Socorro (GISP) da GNR e elementos das outras vertentes da Guarda Nacional Republicana vão percorrer todas as freguesias do distrito de Santarém até ao fim do mês de Fevereiro, tendo como objetivo a georeferenciação das áreas em situação de incumprimento no que se refere à limpeza de terrenos.

A prevenção e sensibilização que o efetivo de 25 militares vai realizar diariamente, pretende desenvolver e implementar junto população a limpeza voluntária dos matos e a gestão dos combustíveis, junto aos prédios rústicos.

Paulo Silvério, Comandante Territorial da GNR de Santarém, referiu que as equipas “são apoiadas no terreno por meios informáticos e cartográficos e por todo o staff do Estado-Maior e do Comando Geral, através do SEPNA.” Para Paulo Silvério é fundamental haver “uma dinâmica de dimensão coletiva de forma a ser mais eficiente no terreno”.

Serão posteriormente as autarquias, através dos gabinetes técnico-florestais a fazer o tratamento desta informação de forma a notificar os proprietários em incumprimento. Numa fase posterior e já com a intervenção do ICNF (Instituto de Conservação da Natureza e da Floresta) será elaborada uma carta de risco que permitirá intervir sobre os infratores.

O Secretário de Estado da Proteção Civil, Artur Tavares Neves, esteve presente no arranque da iniciativa promovida pelo Comando Territorial da GNR de Santarém, a qual considerou um exemplo.

O governante garantiu que a medida não visa “passar” coimas, mas sim consciencializar a população que “já se está a envolver devido à ampla divulgação de vários meios de comunicação social”. O governante afirmou ainda que a legislação já está aplicada desde 2006 e que este imperativo é um obrigação dos proprietários mas que “houve laxismo de todas as partes envolvidas”.

No ano de 2017, a GNR duplicou o número de autos efetuados face a 2016 mas apenas um terço destas multas foram pagas. A maior parte destas multas referem-se à falta de limpeza, seguindo-se as multas por queimadas de detritos e por fim as queimadas ilegais.

Até ao dia 15 de março de 2018, os proprietários deverão limpar os seus terrenos numa faixa de proteção de 50 m, medida a partir da parede exterior da edificação e em redor. Com a nova lei as coimas a aplicar dobram de valor em relação a 2017.

Com esta ação de intervenção alargada a vários setores da sociedade, pretende-se uma prevenção eficiente dos incêndios florestais.

Veja a fotogaleria em aqui.

.