Concelho de Almeirim invadido por javalis

PRAGA – A falta de comida nos campos, regras limitativas e ausência de predadores naturais estão a provocar aumento significativo de javalis.

Dois javalis de grande porte provocaram danos materiais avultados em duas viaturas na na estrada nacional 118, perto da Quinta da Alorna, em Almeirim. Os dois animais que estariam a atravessar a via de circulação foram atropelados no mesmo local, mas em horas diferentes. Nas duas situações há apenas a registar os avultados danos materiais nas viaturas que atingiram os animais. Esta noticia dada por O Almeirinense a 17 janeiro deste ano foi o mote para perceber o que está a originar a invulgar presença destes animais junto à entrada da cidade.

Guilherme Marques, Presidente da Associação Caçadores da Tapada, diz que “o problema está fora de controle e há razões para isso: deviam existir leis que permitissem o controle pois os listados não podem ser mortos e depois destroem tudo”, explica. Guilherme Marques sublinha ainda que outro dos problemas “pode estar no facto de não existirem predadores naturais e como os campos não têm comida, os animais precisam de ir à procura de comida. Eles estão a correr tudo à procura de comida e podem acontecer estes acidentes”.

Este tipo de acidentes com animais selvagens, que em grande parte acaba apenas em danos materiais, pode ser uma verdadeira dor de cabeça para os condutores. No caso de possuir um seguro contra todos os riscos a situação torna-se mais fácil mas se assim não acontecer a única foram de os lesados serem ressarcidos é através do Fundo de Garantia Automóvel.

No caso de se tratar de um animal doméstico, o Código da Estrada prevê uma multa para os donos, que são responsáveis por garantir que os seus animais não constituem perigo para a circulação rodoviária. A coima pode variar entre os 30 e os 150 euros, fora o arranjo do carro danificado.
Os javalis tornaram-se numa praga em Portugal e já provocam “centenas” de acidentes nas estradas, além de prejudicarem a pequena caça e transmitirem doenças, alerta uma associação de caçadores e várias entidades confirmam.

A agência Lusa, em junho de 2017, pediu dados sobre acidentes rodoviários envolvendo animais mas a GNR encaminhou o assunto para a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, que não tem dados específicos, embora nos relatórios anuais se note um aumento de atropelamento de animais (que provocaram pelo menos feridos), 66 casos em 2012, 76 no ano seguinte, e 104 em 2014 e 2015.

Mas há outro problema. O bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários, Jorge Cid, admitiu que há “um problema grave de incidência de tuberculose nos veados e javalis” e que é preciso “cuidado” porque a doença está a aumentar, “sobretudo na raia”. A Ordem “via com bons olhos que se criasse um corpo nacional de inspetores” e era “importante a aprovação da carreira dos inspetores sanitários”, de forma a que todas as espécies para consumo público fossem verificadas.

.