Prevenir já…

Não serão precisas as leis para nos informar que determinadas práticas ou a falta delas, devem ser realizadas. Algumas são senso comum… Mas somos assim. Não cumprimos.

Algumas leis vão ficando à margem do cumprimento e da fiscalização. Mas a lei constitui a organização da nossa vida, em sociedade e num território. As formas de ser e estar alteraram-se, em determinadas regiões pela desertificação, perdeu-se a ligação à terra, juntou-se o combustível e o barril de pólvora explodiu. As leis da limpeza dos terrenos vão agora ser fiscalizadas, e bem!

Depois das vidas que se perderam, das que ficaram destroçadas, e demais graves prejuízos para a economia (todos nós), o melhor mesmo é “depois de casa roubada, trancas na porta”. Tudo o que for identificado deverá estar limpo por proprietários, particulares, empresas, e associações até 15 de março, e pelas autarquias até ao fim de maio.

Medidas para todo o território, e cuja ação de sensibilização e fiscalização, irá começar na região da Lezíria pelo município de Almeirim. É obrigatório em casas isoladas limpar uma faixa à volta com 50 metros, e 100 metros à volta de aldeias e zonas industriais. A GNR, a Proteção Civil e as autarquias locais estão a implementar esta ação que será fiscalizada, e punida se não for cumprida. Em Almeirim, e no resto do país. Que não se fique com a ideia só dos territórios com floresta e onde a bomba explodiu pela incúria de todos.

Os governantes já declararam que não haverá perdões. Serão precisos dez anos ou mais, para restruturar e repor, o que perdemos em pouco dias de fogo. Será melhor revermos a importância do ciclo da fotossíntese. “Uma arvore é um amigo”, como dizia a canção do Joel Branco.

.