Almeirim bicéfala…

Almeirim Bicéfala (a palavra Bicéfala tem como significado “que tem duas cabeças”) simboliza o título da crónica, que até hoje, mais ponderei em saber se a haveria de escrever… Vivemos, claramente, numa sociedade exponencialmente competitiva e onde a unicidade de existência de uma atividade empresarial, de um projeto, de um desporto e de qualquer coisa que seja é impossível nos dias de hoje. Claro que existe, ainda, algumas situações “protegidas”, mas que num futuro próximo também o deixarão de o ser, estou certo… Muitas pessoas apregoam que não existe espaço, não existe mercado, não existe procura e que não existe população que tal o justifique… Mas importa lembrar que, a lei da sobrevivência, é vital na dinamização de qualquer atividade na sociedade em que estamos inseridos e que com isso quem ganha, em última instância, é quem procura comprar ou optar por algo …

Dados dos Censos, de 2011, referem que o concelho de Almeirim tem 23376 habitantes, que o concelho de Alpiarça tem 7702 habitantes e que o concelho de Santarém tem 62200 habitantes. Em termos percentuais de população conjunta dos três concelhos, Alpiarça tem 8% da população, Almeirim tem 25% da população e Santarém tem 67% da população. Alpiarça e Santarém estão, em linha reta, a menos de 8 km de Almeirim e como tal uma distância demasiado insignificante para se considerar longe. Pelo que, existe um potencial e um mercado incrível, a explorar nas nossas proximidades com repercussões diretas e indiretas no tecido económico, social e desportivo Almeirinense. Cabe às pessoas de Almeirim saber imaginar / criar atividades, mecanismos e imagens de marca que sejam uma referência na procura de novos mercados tão próximos quanto Alpiarça e Santarém. O que irá trazer as pessoas dos concelhos, anteriormente enunciados, a Almeirim nunca será a oferta da continuidade, mas sim a inovação, a credibilidade e a imagem de projetos e ideias que marquem pela diferença. Claro que preços competitivos também ajudarão muito, mas não nos podemos esquecer que, há muito tempo, que a sociedade aprendeu a separar o trigo do joio. O aparecimento de agregações e fusões nunca poderá ser visto como um retrocesso na oferta à sociedade, mas sim como uma consequência de num dado momento especifico, originar uma nova opção económica, social ou desportiva em prol de um objetivo maior por parte de quem o realiza. Sendo certo que, sempre que acontece, existem muitos fatores a considerar e a estudar para, num futuro próximo, se potencializar um ideal comum. Cabe a quem o realiza, saber escolher uma imagem e uma estrutura forte que saiba liderar e, em simultâneo, aglutinadora do que a envolve e do que se pretende alcançar.

Almeirim Bicéfala tem, assim como principal objetivo, transmitir que a nossa sociedade deve pensar, trabalhar e respirar com o objetivo de ser mais competitiva a cada dia que passa, independentemente, de estar em regime de exclusividade ou não. E que deve sempre pensar que existe o crescimento vertical (entenda-se crescimento vertical por crescimento para novas áreas e horizontes) e o crescimento horizontal (entenda-se por crescimento horizontal o melhorar e potencializar o que já realiza) através de opções que deverão sempre ser tomadas em consciência e muito bem ponderadas.

.