Parlamento chumba proposta do PAN para abolir touradas

O parlamento rejeitou esta sexta-feira um projeto de lei do PAN (Pessoas-Animais-Natureza) para abolir as corridas de touros em Portugal, diploma que teve ainda o apoio do Bloco de Esquerda, PEV, oito deputados socialistas e um social-democrata.

Votaram contra a iniciativa legislativa apresentada e defendida em plenário pelo deputado André Silva, do PAN, a bancada do PSD, a maioria dos deputados socialistas, o CDS-PP e o PCP. Sublinhando a importância das touradas para as populações de largas dezenas de concelhos nacionais – 44 autarquias, aliás, manifestaram-se contra a abolição proposta pelo PAN.

Contrariando o sentido de voto da maioria da bancada do PS, oito deputados socialistas estiveram ao lado do diploma do PAN: Pedro Delgado Alves, Rosa Albernaz, Ana Passos, Luís Graça, Diogo Leão, Hugo Carvalho, Tiago Barbosa Ribeiro e Carla Sousa. Também o deputado social-democrata Cristóvão Norte se juntou, com o voto favorável, ao diploma pela abolição das corridas de touros em Portugal.

Optaram pela abstenção o deputado social-democrata Matos Correia, Carlos Matias do Bloco de Esquerda e 12 deputados socialistas, entre eles Paulo Trigo Pereira, Alexandre Quintanilha, Ivan Gonçalves, Sónia Fertuzinhos, Luís Soares, Porfírio Silva, Filipe Neto Brandão, Elza Pais, João Torres, Carla Tavares e André Pinotes Batista.

Numa declaração de voto distribuída aos jornalistas, os deputados independentes do PS Alexandre Quintanilha e Paulo Trigo Pereira defenderam que “ser coerente com a abolição imediata das touradas exigiria defender para os portugueses a obrigatoriedade do vegetarianismo, pois qualquer alimentação de base animal associa-se a maus tratos a animais”.

Nas galerias a assistir ao debate, note-se, encontravam-se movimentos antitaurinos e também cavaleiros e outros profissionais da tauromaquia.

Na próxima sessão legislativa, ou seja, depois de os deputados voltarem de férias, serão apreciados dois projetos do BE – mais recuados que o do PAN -, que apontam no sentido da proibição do financiamento público às touradas e obrigam a que a sua transmissão na televisão ocorra apenas em horas tardias e com bolinha vermelha no ecrã. Essa discussão só terá lugar dentro de meses porque o PAN recusou fazê-la conjuntamente com a da sua iniciativa.

Com Visão

.