Não há soluções, há caminhos: 20 outubro

O perdão não se opõe à justiça. Pensar o contrário seria, no mínimo, ingenuidade. É que, se podemos e devemos perdoar aos patrões da droga, aos terroristas e a todos os criminosos em geral se eles revelam arrependimento, a sociedade não pode deixar de os julgar e, se for caso disso, de os condenar a uma pena justa. A paz também resulta da justiça correctamente exercida e aplicada pelos órgãos próprios. Devemos mesmo exigir que essa justiça funcione devidamente.

Vasco P. Magalhães, sj

.