O Dom Maior pronta a ajudar o próximo

A Associação O Dom Maior (AODM) é uma entidade de interesse público, sem fins lucrativos, que alcançou em maio de 2018 o título de Organização Não Governamental para pessoas com Deficiência (ONGD), por deliberação do Instituto Nacional para a Reabilitação (INR, I.P). Mais recentemente, em abril de 2019, por deliberação do Ministério da Saúde, obteve o reconhecimento de entidade de defesa dos utentes de saúde, estando neste momento em vias de atingir o estatuto de Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), com o apoio da Secretaria de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência.

À semelhança do que fizemos no ano passado, queremos lançar a nossa agenda solidária para 2020, que na verdade será mais do que uma simples agenda. Vamos desafiar os nossos associados e utentes a envolverem-se neste projeto. Desafiámos várias mães a escreverem uma frase sobre os seus filhos especiais, com o mote “Contigo aprendi…”, e contamos ainda com os desenhos de alguns dos nossos meninos. Teremos ainda os nomes dos 12 meses escritos em Braille, numa perspetiva de sensibilizar a comunidade em geral.

A totalidade da receita irá reverter a favor da nossa ONGPD, que aplicará as verbas na reabilitação e ensino especializado a crianças e jovens em situação de carência financeira devidamente fundamentada.

Neste sentido, vimos pedir o vosso apoio à concretização deste projeto maior, através do patrocínio do mesmo,sendo que nos comprometemos a publicitar os vossos serviços como contrapartida, não apenas nas próprias agendas, mas também no nosso site e redes sociais, seguidas por milhares de pessoas e cujo alcance tem vindo a aumentar diariamente. 

Recordamos que, conforme a alínea b) do n.º 3 do artigo 62.º do Estatuto dos Benefícios Fiscais, o donativo efetuado à Associação, reconhecida como pessoa colectiva de utilidade pública e sem fins lucrativos, que presta serviços na área do ensino e reabilitação a crianças e jovens com deficiência no âmbito terapêutico, é considerado, em sede de IRC, como custo ou perdas do respetivo exercício, até ao limite de 8/1000 do volume de vendas ou dos serviços prestados.

.