Maior liquidez

Ainda que muitos acreditem no contrário, o principal motor da economia é a iniciativa privada, nomeadamente as Pequenas e Médias Empresas (PME’s), representam 99,9% do tecido empresarial português e foram responsáveis, em 2018, por cerca de um terço do PIB. Sendo empresas de pequena dimensão, muitas delas realizam um trabalho hercúleo na gestão da sua tesouraria para conseguirem cumprir os seus compromissos: salários, contribuições sociais, impostos, taxas, licenças… No entanto, o mesmo Estado que obriga ao cumprimento dessas obrigações é o mesmo que demora, em média, cerca de 75 dias, a pagar aos seus fornecedores agravando, desta forma, a liquidez dessas empresas.

No contexto de crise que iremos viver, a falta de liquidez por parte das empresas será um dos grandes problemas! Ciente dessa importância, o PSD propõe, para além de outras medidas de carácter sócio-económico, que o Estado pague os cerca de 5 mil milhões de euros de dívidas a fornecedores. Para além de não colocar em causa os valores do déficit, representaria uma injecção imediata de liquidez nas empresas. Mais do que de linhas de crédito, as empresas precisam saber que o Estado é, de facto, uma pessoa de bem!

Por Humberto Neves

.