Animal Feroz

Durante semanas vimos, ouvimos e lemos notícias sobre o surto de COVID-19 num lar de idosos em Reguengos de Monsaraz que, infelizmente, resultou na morte de 18 pessoas.

Desde cedo se percebeu a dimensão trágica dos números e, agora, que a mesma se deveu a uma terrível falta de condições naquela instituição
social. Num processo em que tudo falhou, desde a fiscalização por parte da tutela e dos organismos da área da saúde até às declarações da própria ministra a propósito do relatório da Ordem dos Médicos, só faltava mesmo a cereja no topo do bolo que chegou sobre a forma de entrevista
do primeiro-ministro ao Expresso. Nem sequer é necessário ver o vídeo off the record; basta estar atento à entrevista e ao tom de voz usado pelo entrevistado quando este tema é abordado.

Já sabemos que o primeiro-ministro, qual animal feroz, quando perde a razão aumenta o tom da voz! Rima e é verdade.

E também sabemos que, quando algo de mau acontece neste país, a culpa é sempre de outros. Foi assim com os incêndios de 2017. Foi assim com Tancos. Foi assim com o desabamento da estrada em
Borba. E, agora, em vez de tentar apurar responsabilidades pelo que aconteceu em Reguengos de Monsaraz, decidiu levantar a voz aos médicos como se eles fossem os culpados pelo sucedido.

Não tivessem sido estes, com a auditoria realizada e a divulgação do relatório da mesma, e este triste episódio teria ficado nos segredos, não dos deuses, mas dos responsáveis políticos locais e regionais.

Humberto Neves
PSD Almeirim

Opinião publicada na edição de 1 de setembro

.