Educação e COVID

Dos estudos que se têm publicado, conclui-se que as crianças infetam-se menos com a COVID-19 do que os adultos. Ainda não se conhecem inteiramente os fatores mas as menores alterações do sistema imunitário das crianças e as maiores lesões das células que forram os vasos sanguíneos nos adultos parecem ser fatores determinantes.

A capacidade de transmissão do novo Coronavírus aumenta com a idade e, nos adolescentes, iguala a dos adultos. No Journal of the American Medical Association, foi manifestado que as evidências disponíveis no semestre de outono asseguraram à CDC (Agência de Saúde Norte Americana) que, desde que usem máscara, haja distanciamento e ventilação adequada, os benefícios de abrir escolas superam os riscos de manter crianças em casa por meses.

“A concentração não é a mesma, com claros problemas na aprendizagem e as disparidades sociais influenciam a capacidade de cada aluno de ter sucesso escolar (…)”

Há evidências claras de que fechar escolas prejudica diretamente os alunos, tanto em termos de educação quanto de saúde mental e convívio social. As aulas online são, principalmente nos alunos mais novos, um fracasso. A concentração não é a mesma, com claros problemas na aprendizagem e as disparidades sociais influenciam a capacidade de cada aluno de ter sucesso escolar, porque o acesso a meios não é o mesmo.

Se sabemos tudo isto e o Governo sabe, ou deveria saber, então qual o motivo para o encerramento das escolas para os alunos até aos 12 anos, ou seja, para os alunos até ao 6.º ano de escolaridade? Estamos a quebrar enquanto sociedade a nossa obrigação de educar e tratar bem das crianças.

João Lopes
PSD Almeirim

Artigo de opinião publicado na edição impressa de 15 de fevereiro de 2021

.