Alorna quer duplicar vendas até 2025

Numa entrevista publicada esta segunda-feira, dia 8, no Jornal de Negócios, Pedro Lufinha, diretor-geral da Quinta da Alorna, diz que o objetivo é facturar 10,5 milhões em 2025.

Depois de faturar 5,3 milhões de euros em 2020, este ano prevê subir para 6 milhões e atingir os 10,5 milhões em 2025. O primeiro marco é passar a liderar o mercado na região, em que segue atrás de três adegas cooperativas: Almeirim, Cartaxo e Benfica do Ribatejo. E ir além dos litros. “Neste salto queremos demarcar-nos e crescer em vinhos de maior qualidade e de valor acrescentado. Reforçar vendas, notoriedade e rentabilidade”, completa o diretor geral ao Negócios.

No ano passado vendeu 2,4 milhões de garrafas, o equivalente a 1,8 milhões de litros, mas é obrigada a ter dentro de portas o stock de tintos. Ainda tem “alguma” margem na adega, dado o limite atual de 3 milhões de litros, mas “nestes próximos cinco anos [vai] ter de investir em mais capacidade para acompanhar o crescimento esperado”.

A expansão da adega é apenas uma rubrica da despesa orçamentada, onde cabe também a reestruturação da vinha, a compra de mais pivots de rega, a plantação de amendoeiras, a aquisição de tecnologias para ter mais informação sobre a maturação da uva ou o “reforço muitíssimo grande” no marketing e na promoção da marca.

Com Jornal de Negócios

.