“Não é a hora de baixar os braços!”

DESCONFINAMENTO Thiago Lopes, Zélia Russo e Joana Rosado são três dos rostos do concelho que puderam reabrir os seus negócios. Contaram ao jornal O Almeirinense as dificuldades que a pandemia trouxe para os seus negócios e a sua opinião sobre o desconfinamento.

Conte-nos uma história marcante (positiva e/ou negativa) dentro da sua carreira profissional.
Thiago Lopes (T.L): Dezembro de 2015. Foi quando iniciei-me nesta carreira, sendo destaque de uma formação de cabeleireiros e barbeiros da minha cidade. Oito meses depois, dentro da profissão como um simples barbeiro da minha cidade natal, aceitei a proposta de um barbeiro destaque da cidade de Poços de Caldas, situada em Minas Gerais. Durante este percurso também fui modelo de corte num programa de TV e auxiliei no Marco da História de Barbearia Brasileira que foi o Reality Show de Barbeiros (The Best Barber Brasil), onde foi transmitido na Rede Record TVV Brasileira.
Zélia Russo (Z.R.): Muitas histórias existem ao longo destes anos. Conto uma que achei engraçada e que jamais
me esquecerei dela. Há uns anos atrás os casamentos em Almeirim eram muito numerosos e eu trabalhava todas as madrugadas de sexta-feira e sábados e às 4 da manhã lá estava eu a tomar café na D. Claudina com as minhas colegas
de trabalho, sitio este que todos os Almeirinenses conheceram. E então, passados alguns anos, a senhora perguntou-me se eu era uma mulher da noite, pois era estranho todas as semanas tomar café às 4 da manhã, eu sorri e disse-lhe, sou apenas cabeleireira e começamos a trabalhar muito cedo porque temos casamentos. Ela riu-se e pediu desculpa.
Joana Rosado (J.R.): Tenho uma história um pouco hilariante quando trabalhava em Santarém. Atendi uma cliente que tinha uma limpeza de pele marcada, no entanto a meio, ela adormeceu. Só acordou quando eu estava a acabar, e disse-me que não tinha feito a limpeza de pele. Só algum tempo depois acabou por ir ao espelho ver e acabou por pedir desculpa.

“E nós, barbeiros, somos ouvintes de diversas histórias diariamente onde, no início, muitos não acreditavam no poder da Covid-19”

Thiago Lopes (Thiago Barbershop Almeirim)
Thiago Lopes (Thiago Barbershop Almeirim)

Foi no dia 15 de março que começou parte do desconfinamento em Portugal. Após a reabertura, o que tem reparado de diferente?
T.L: De facto, tenho reparado que muitas pessoas aprenderam a respeitar a maioria das Medidas de Confinamento
contra a Covid-19. E nós, barbeiros, somos ouvintes de diversas histórias diferentes diariamente onde, no início, muitos não acreditavam ainda no poder da Covid-19. E vemo-nos com a possibilidade de confinar a qualquer hora dependendo do número de casos em cada região do país.
Z.R: Aproveito publicamente para agradecer aos meus clientes o respeito que têm revelado pelo meu trabalho em relação ao cumprimento das normas e regras da DGS o que tem permitido o bom funcionamento do serviço.
J.R: Noto uma maior consciência de grupo no respeito pelas medidas de prevenção e segurança. Acho que depois do Natal e do aumento dramático de casos, internados e mortes, as pessoas finalmente tomaram consciência da gravidade da situação.

“As pessoas estiveram privadas dos seus trabalhos e respetivas fontes de rendimento… Mas, não é a hora de baixar os braços!”

Joana Rosado (Beauty Room)

Como tem sido a afluência de clientes desde a reabertura?
T.L: Ao receber clientes com dois, três e/ou seis meses sem um simples corte de cabelo. As pessoas encontravam-se com necessidade de cortar o cabelo, fazer a barba e estar minimamente apresentável, com uma aparência mais
agradável ou pelo menos sentir-se à vontade ou satisfeito em receber os nossos serviços.
Z.R: Tem sido muito gratificante aperceber-me que as minhas clientes estão e estarão sempre comigo.
J.R: Infelizmente, tivemos dois meses fechados, mas depois da nossa reabertura, a afluência tem sido bastante significativa. Tem sido compensador saber que o nosso trabalho tem impacto na vida das pessoas. E, desde já agradeço toda a simpatia e apoio por parte das clientes, que têm sido espetaculares.

Zélia Russo (Zélia Cabeleireiros)

Na sua opinião, acredita que o início deste desconfinamento é suficiente para a sua área de atividade se restabelecer ou acredita que alguns não vão conseguir manter o negócio?
T.L: Na minha opinião, o facto de alguns conseguirem e outros não depende da “gestão do negócio”. Independentemente dos fechos e reaberturas, algumas pessoas acreditam que é apenas investir numa barbearia e colocar pessoas para cortar cabelos, sem saber minimamente qual é o nosso tipo de mercado, como realizar a gestão pessoal, profissional, realizar o mínimo de Marketing onde se torna atrativo com o público e agrega ao seu próprio negócio. Digamos que como vocês têm um ditado popular: “Chapa Ganha, Chapa Gasta”. Muitos não fazem caixa de emergência para o próprio negócio; sobrevivem de cada mês e depois não conseguem realizar nenhum tipo de melhoria para a própria casa onde atendem o público-alvo.
Z.R: Sim, tem sido muito difícil para todos, e acredito que, infelizmente, alguns não vão sobreviver.
J.R: Lamentavelmente, penso que alguns negócios na área não irão resistir. As pessoas estiveram privadas dos seus trabalhos e respetivas fontes de rendimento… Mas, não é hora de baixar os braços! Temos que levar as nossas vidas, trabalhos e negócios para a frente. Só assim iremos conseguir superar estes “tempos” menos bons.

Na sua opinião, o desconfinamento começou na melhor altura ou acredita que devia ter começado noutro momento?
T.L:
Eu acredito que as coisas acontecem quando tiverem de acontecer. Não conseguimos prever nada daqui
para a frente. Só agora é que muitas das pessoas se dão conta que nunca estiveram preparadas para uma situação
como estas; já outras sempre estiveram preparadas para algo pior.
J.R: Não iríamos aguentar mais tempo encerrados, mas também não seria possível reabrir mais cedo, pois teria sido mais complicado baixar o número de novos infetados.

“Acredito que, se as pessoas não cumprirem e não ficarem em casa, voltaremos a ver os nossos negócios fechados”

Zélia Russo (Zélia Cabeleireiros)

Acredita que, com esta forma gradual de desconfinamento, os casos vão continuar a descer ou poderá haver uma ligeira subida?
T.L: O facto do número de casos continuar a descer ou poderem subir vai depender das pessoas se acharem em tal liberdade ou não.
Z.R: Acredito que, se as pessoas não cumprirem e não ficarem em casa, voltaremos a ver os nossos negócios fechados.
J.R: Com o desconfinamento gradual, acredito que os números irão subir ligeiramente. Mas desde que seja um aumento controlado, creio que iremos conseguir (re) fazer as nossas vidas, na medida do possível, mantendo respeito por todas as normas de segurança.

“Também mostrou o quanto importante são os nossos familiares, assim como os familiares das outras pessoas e que, neste momento, precisamos de prezar esse mesmo respeito”

Thiago Lopes (Thiago Barbershop Almeirim)
Joana Rosado (Beauty Room)

Que mensagem gostaria de dar ao Almeirinenses em relação a este desconfinamento?
T.L: Gostaria de dizer que este vírus mostrou às pessoas o quanto importante é o respeito. Onde as pessoas já se tinham esquecido o que era o distanciamento, respeito, higiene local, etc… Também mostrou o quanto importantes são os nossos familiares assim como os familiares das outras pessoas e que, neste momento, precisamos de prezar esse mesmo respeito. Cada um faz a sua parte, cada um cuida dos seus familiares, manter a higiene, manter o distanciamento pessoal e respeitar o próximo.
Z.R.: Por favor, mantenham-se em casa, evitem aglomerados, e cumpram as normas da DGS, para o bem da saúde e da economia do pais e da nossa liberdade futura. Evitem hoje para poderem ter amanhã.
J.R: Gostava de pedir a todos paciência. Sei que o período que passamos não é fácil, mas… acreditemos que a ciência e a medicina estão a fazer todos os possíveis pela nossa saúde. Apelo também que se vacinem, todos os que possam, tão rápido quanto possam, pois só com a cooperação de todos vamos sair desta fase. Não podemos ser uma parte, mas sim um todo.

Entrevista de Mariana Cortez
Fotografias de Ana Rita Amaro

.