Hidrogénio – O combustível para os carros do futuro?

Carros elétricos estão a dominar o mercado, mas o hidrogénio pode mesmo vir a ser o
combustível do futuro para os automóveis. Saiba os motivos…

Carros a Hidrogénio podem ser o futuro da indústria automóvel
Os veículos elétricos com baterias estão a crescer nas vendas, mas há outra alternativa a ganhar peso no sector automóvel. Falamos dos carros a hidrogénio, que já estão no mercado e trazem diversas vantagens
.


Os combustíveis fósseis estão a desaparecer e, até pelo seu impacto ambiental, os veículos a gasolina e gasóleo estão a deixar de ser produzidos pela indústria automóvel. E se os híbridos e elétricos a bateria são a principal tendência da atualidade, essa não é a proposta com mais vantagens para o futuro. Por isso, se fosse agora apostar com um Código de Bónus betano sobre qual o combustível do futuro da indústria automóvel, o hidrogénio seria uma aposta a considerar.

Os carros a hidrogénio oferecem diversas vantagens em comparação aos elétricos a bateria. E também têm o benefício do impacto ambiental nulo, já que não emitem gases poluentes. Quer saber porque é o hidrogénio o combustível de futuro da indústria automóvel? Veja aqui a resposta.

Como funcionam os carros a hidrogénio?
O conceito-base para estes veículos é a hidrólise, em que o hidrogénio armazenado em tanques é combinado com o oxigénio do ar para criar uma reação, onde se cria vapor de água (H2O). Essa reação cria também energia elétrica, que depois é utilizada para alimentar um motor elétrico, num sistema idêntico ao dos veículos elétricos, que usam eletricidade guardada nas baterias para mover o carro.

Vantagens dos veículos a hidrogénio
100% elétricos –
Como os veículos a bateria, os carros a hidrogénio usam motores elétricos. Por isso, não emitem qualquer gás poluente para a atmosfera (apenas sai vapor de água do tubo de escape), contribuindo para a descarbonização dos transportes;
Velocidade de Carregamento – A maior vantagem do hidrogénio é que tem um sistema de abastecimento similar aos dos veículos a gás natural, com o combustível injetado num depósito do automóvel, o que demora apenas 3 minutos. Ou seja, 10% do tempo em comparação aos veículos a bateria, que precisam 30 minutos de carga rápida para chegar aos 80% da capacidade;
Peso – As baterias de iões de lítio pesam perto de 400 kg, enquanto todo o sistema FCV
(Fuel Cell Vehicle) da célula de combustível de hidrogénio pesa apenas 80 kg. Isso torna os veículos mais leves e com uma condução mais agradável;
Autonomia – Como o peso dos veículos é menor, o esforço exigido aos motores elétricos para mover o carro é menor. E, como tal, é possível ter autonomias de 800 km, enquanto os veículos com baterias oferecem perto de 500 km entre carregamentos;
Tecnologia segura e comprovada – Apesar de ainda serem pouco conhecidos na Europa, há mais de 20 anos que existem carros a hidrogénio a circular na Coreia do Sul e Japão.

Por isso é uma tecnologia já comprovada e madura. Marcas como a Hyundai e a Toyota são as líderes no desenvolvimento destes automóveis, mas outros fabricantes como a BMW e a Honda também já têm modelos com estas características no mercado.
Como se pode perceber, os veículos a hidrogénio têm várias vantagens. Mas, para a sua expansão ser uma realidade, há que cumprir dois requisitos. O primeiro é usar hidrogénio verde, produzido de forma sustentável, a que se junta ainda a necessidade de uma rede robusta de abastecimento, como tem acontecido com os postos de carregamento de carros elétricos. Depois, é só esperar que as pessoas se rendam a esta tecnologia para a revolução do hidrogénio na mobilidade se tornar uma realidade.