Comédia de costumes sobre Almeirim em telenovela estreia em 2020

TELENOVELA O almeirinense Diogo Andrade escreve, produz e realiza a telenovela “Caralhotas em Sangue”. As gravações já começaram, mas ainda se procuram atores e atrizes para a telenovela que estreia este ano.

Diogo Andrade, como surgiu a ideia de fazer uma novela?
A ideia surgiu há uns dois ou três anos, talvez há um pouco mais de tempo, inesperadamente. Mas não era nada em concreto ou bem definido nessa altura. Tratava-se de umas ideias que eu ia apontando no papel quando a inspiração batia à minha porta. Nunca me tinha passado pela cabeça apostar no formato da Telenovela tradicional (o que não é bem o conceito, neste caso). Ora, eu tinha o desejo de fazer uma sitcom de mistério tipo “Poirot” com uma mistura de “Alô, alô” e do filme “Priscilla, a rainha do deserto”, ou “ Tootsie”. Isto era o que eu tinha em mente, mas não sabia como começar.
Entretanto, nessa altura queria organizar um grupo ou projeto cultural para crianças, jovens e reformados que quisessem contribuir para algo comum nas Artes e Ofícios e que fosse referente à nossa terra, Almeirim.
Cheguei a falar com um amigo e a reunir informalmente com o Pedro Ribeiro, falando deste desejo e apresentando o projeto por escrito à Associação Divulgarte, em Almeirim. Seria um espaço físico na velha escola primária, a da Torre do Relógio, bem perto da sede de O Almeirinense.
Em princípio tínhamos tudo pronto e preparado, mas foi-me dito pelo Miguel Palmeiro para esperar até o início deste ano. Como já estou à espera há 2 anos, e ainda não abrimos as portas… achei que tinha de desenvolver a ideia que queria e comecei a sensibilizar a população de Almeirim para a criação de uma telenovela dentro de um programa educativo e cultural dos almeirinenses para outros almeirinenses, e não só.
Partilhei os meus desejos com outros amigos, e nas redes sociais e tive uma resposta fantástica, muito positiva e entusiasta. E comecei logo a escrever a a espalhar o boato. Fosse como fosse, eu estava determinado a oferecer esta opção cultural à população, pelos jovens e o futuro da cultura da nossa região e a divulgação da mesma.

E o tema da novela, como surgiu?
O tema da novela já foi algo intuitivo. A começar logo a novela, um padeiro vai vender numa carrinha de rua em rua, porta em porta, as nossas Caralhotas. Como se fazia na altura da nossa infância, em que todos esperavam à porta de casa pelo padeiro com o saco do pão. E o padeiro é morto ao fazer a entrega à porta de uma mansão.
Decidi escrever dobre o que sabia e que achava no baú das minhas memórias, acerca das gentes e costumes da nossa terra.

Antecipando que não pode revelar tudo, do que trata esta novela?
A história é uma comédia de costumes com mistério, romances proibidos, segredos escondidos e muito sangue… A ação passa-se numa dimensão paralela para os lados de Almeirim City com alguns laivos de “Twin peacks”. Já podem ter uma ideia da salganhada que vai ser. O intuito é divertirmo-nos com a equipa de produção e todos os envolvidos nesta iniciativa, e conseguir divertir milhares, talvez milhões de portugueses por este mundo todo… já que este formato é para a internet.

Quem escreveu os textos?
Quem escreveu e está a escrever sou eu. Coisa que prezo e que me dá imenso prazer. Mas mais à frente será em colaboração com outros.

Onde foi buscar a inspiração? Há personagens que existem ou existiram na realidade?
Existem personagens baseadas em pessoas que conheço, outras são personagens mais clássicas de contos de infância, vizinhos, amigos e variadas referências. Umas são baseadas em mim, até! E a inspiração, essa, quando vem aparece sem avisar… Mas há indicadores muito óbvios da nossa cultura nacional, regional, etc.

Que apoios conta para este projeto? Falo de apoios financeiros e logísticos.
Em breve lançarei também uma campanha de crowdfunding onde qualquer interessado que nos queira ajudar ou patrocinar podem doar uma quantia simbólica. Investir na sustentabilidade desta produção é essencial, pois ainda não temos apoios financeiros.
Qualquer comerciante local (loja, negócio, restaurante, produção industrial ou agrícola, alguns exemplos!) pode contactar-me por e-mail, Facebook ou telefone.
Vamos precisar de todo o apoio e ajuda na produção fora das câmaras, a divulgar e partilhar esta iniciativa e o crowdfunding nas redes sociais, com a família, amigos, professores … Se uma pessoa espalhar o rumor e partilhar vídeos e informação sobre as “Caralhotas em Sangue” com pelo menos 15 pessoas, temos garantidamente um sucesso em mãos.
A todos os que quiserem voluntariamente doar ou investir o seu dinheiro na nossa iniciativa para ajudar esta equipa de Profissionais a fazerem algo por estes jovens que querem aprender e contribuir artisticamente para a nossa comunidade, podem fazê-lo pelo site de Crowdfunding: https://youtu.be/Y8RqRFXpt2U

As ações das filmagens vão decorrer onde?
As filmagens decorrem em Almeirim, entre a minha casa e propriedades e o jornal O Almeirinense, que também está a colaborar nesta iniciativa.

Quem estiver interessado em participar como o pode contactar?
Quem estiver interessado, deverá entrar comigo por Facebook, instagram, contacto telefónico: 910516046 ou Gmail: adrumdidawn@gmail.com
Sim, estamos ainda a receber candidatos a assistir na produção, como na participação como atores, figurantes, ou fazerem parte do guarda-roupa, cenário e adereços, caracterização e efeitos especiais de televisão e cinema (o que chamo de laboratório de Monstros), música e banda sonora ou equipa criativa de escrita.

O Diogo também tem uma personagem? Qual ? E porquê?
Eu tenho muita vontade de representar. Talvez tenha uma personagem em especial, uma que originou a criação de todo este processo.
Mas mais não digo… Mas vai ser muito falada e discutida. É um pouco controversa.

Diogo, depois de ter estado algum tempo em Lisboa e em meios mais mediáticos, porque decidiu voltar às origens?
Voltei a Almeirim por razões pessoais e porque estava cansado de viver ou no estrangeiro ou em Lisboa. Gosto do campo, da simplicidade, da tranquilidade e apreciar a vida sem stress.

Como contribuir:
https://www.gofundme.com/f/caralhotas-em-sangue

.