Reações: João Vinagre analisa resultados

Realizou-se hoje a 10ª Eleição para a Presidência da República, da 3ª República, tendo havido 7 eleitos. Desde a eleição do General Ramalho Eanes (1ª Eleição em 1976 e 2ª eleição em 1980), todos têm sido eleitos para um segundo mandato.
Apesar de ter criticado um segundo mandato para a Presidência, o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, recandidatou-se ao mesmo e venceu à primeira volta.
Apesar dos defensores do Regime Republicano regente de 1910, dizerem que qualquer um pode ser Presidente da República, mas tem sido claro que isso só é possível quando suportados por um ou mais partidos políticos e suas máquinas.
O Regime está cada vez mais viciado, pois um dos motes usados para o
Regicídio de 1908 e o Golpe de 1910, foi de terminar com as classes sociais, títulos e afins. Afirmando muitos, dos poucos que o fizeram, que estariam a seguir o exemplo da Revolução Francesa, no Séc. XVIII, mas tal como lá, criaram logo as suas classes, que ainda hoje perduram.
Afirmavam que dariam ao povo mais poder de decisão, mas logo condicionaram o sufrágio universal que até ai havia. Embora sempre fizessem o povo querer do contrário, na 1ª eleição da 1ª República, por não ter havido eleições em todos os círculos eleitorais, “… eram proclamados “eleitos” sem votação.”*, juntando a tudo isto, a proibição de partidos Monárquicos, advogando sempre e até hoje que, a República é o
“única” forma democrática de governação.
Em 16 anos da 1ªRepública, houve sete Presidentes, o que demonstra que desde o início, a República não é consensual e aglutinadora desde a sua implantação.
Mas, regressando à actual eleição, o 1º mandato do Professor Marcelo Rebelo de Sousa fica marcado por muitos casos. Demasiados casos e casos com muita gravidade.
A sua actuação, na minha opinião, nunca se pautou por ser exigente nesses casos. A sua gravidade assim necessitava, um Presidente que fosse a voz do povo.
Agora veremos se haverá novo rumo de actuação ou se irá manter a mesma
linha.

TEXTO DE JOÃO VINAGRE
CDS ALMEIRIM

Nota:* in “https://www.parlamento.pt/Parlamento/Paginas/republica.aspx”

.