Inversão

Mais um ano chega ao fim, mas um ano bastante atípico, pois depois de
2020, nada será como antes. Não será pela perda de familiares que houve, e
que na grande maioria, não lhes foi permitido despedir, uma última vez! E
isso, por quem passou de mais perto, nunca será esquecido.

Atípico, porque se vive tempos muito estranhos, com tantas restrições para
que se possa diminuir, ou mesmo travar a propagação deste novo vírus. Porém, em quase todas as medidas anunciadas e tomadas pelos “desgovernantes”, avanços e recuos, decisões anunciadas com toda a garantia de conhecimento, para no momento seguinte voltar a trás e passar a ser “talvez”.

Atípico, porque cada vez se vê mais o oposto ao bom senso! As Forças de
Seguranças com menos efectivos e autoridade, os meliantes com mais
direitos e força. A sociedade que branda nas redes sociais, que é defensora de animais, natureza, minorias, migrantes, etc, ao ponto de ofender qualquer um, de forma gratuita e leviana, sem conhecer de forma alguma um outro! São estes que são capazes de “mover montanhas” para defender as suas “causas”, mas não conseguem fazer os mesmos esforços para auxiliar um vizinho, um companheiro de trabalho ou um simples transeunte.

Atípico, porque se vive cada vez mais de fotos do momento, sem querer saber a se aquele momento está a representar toda a história! Ah, porque
a história, essa, é sempre escrita pelos vencidos, mesmo que isso demonstre
ano após ano, por mais de 100 anos que uma doutrina é errada, mas continuam a quer insistir no erro!

Desejo que 2021 seja o ano de consciencialização da sociedade no passado, para que se possa viver um presente mais justo e preparar um futuro
mais digno.

João Vinagre
CDS Almeirim

Artigo de opinião publicado na edição impressa de 1 de janeiro de 2021

.